terça-feira, 30 de outubro de 2012

A História do Halloween (e de Samhain)

Apesar de estarmos no Brasil e não ter muito sentido comemorar uma festividade que não têm muita relação com nosso cotidiano, não há como negar que essa data é uma das preferidas para festas temáticas e festas à fantasia de fim de ano.

Mas, você sabe o significado desse dia? Já parou para se perguntar por que o Dia das Bruxas é tão perto do Dia de Todos os Santos e do dia de Finados?

Tudo está relacionado com as tradições da antiguidade, que ainda vivem em nossa sociedade através de datas como essas. O Dia das Bruxas (e os outros citados acima) têm relação direta com uma festividade celta chamada Samhain.

Tá curioso? Continue lendo ...


História de Samhain

Para entender Samhain (pronuncia-se Sow-wen) é necessário voltarmos até os Celtas da antiguidade, que viveram há mais de 2 mil anos atrás. Ao contrário do que alguns acreditam, essa não é uma celebração a um Deus Celta dos Mortos. Na verdade, o significado da data está relacionado com o significado da palavra. Samhain é uma palavra Celta que significa "fim do verão". Os celtas acreditavam que o verão terminava no dia 31 de outubro e que o ano novo se iniciava no dia 1° de novembro, junto com o início do inverno. E a explicação para essa data ser comemorada somente à noite está também relacionada ao fato de que os Celtas também seguiam um calendário lunar, e por isso as suas celebrações começavam no anoitecer da noite anterior.

Muitos vêem o dia de Halloween como um dia festivo pagão, no entanto isso não é totalmente certo, já que o dia de Samhain é no dia 1° de novembro. Mas como citamos anteriormente, as festividades começam à partir do anoitecer do dia 31 de outubro, na véspera de Samhain (só lembrar da véspera de natal que vocês entenderão). Durante o dia, todas as fogueiras das casas eram apagadas. Muitas vezes, as famílias aproveitavam a data para fazer uma limpeza e jogar fora tudo aquilo que era velho para dar espaço para coisas novas, iniciando o inverno com uma casa arrumada e limpa.

Ao anoitecer do dia 31 de outubro, os moradores das vilas começavam a cerimônia formal para Samhain acendendo uma fogueira gigante. As pessoas se reuniam em torno da fogueira para queimar oferendas, como animais e sementes de colheita, como sacrifício aos deuses Celtas. Isso era uma forma de dar aos Deuses e Deusas sua parte do rebanho ou da colheita do ano anterior. Adicionalmente, essas fogueiras sagradas eram uma parte muito importante da limpeza das coisas do ano que terminavae uma forma de se preparar para o ano que começava.

Durante a celebração, os Celtas vestiam roupas especiais e dançavam em torno da fogueira. Muitas dessas danças contavam histórias ou brincavam com os ciclos da vida e da morte, ou comemoravam o ciclo da Roda da Vida, na forma como os Celtas acreditavam.

As roupas eram adornadas com três cores principais, pelos seguintes motivos:

Em honra aos mortos, que finalmente poderiam partir para o outro mundo. Os Celtas acreditavam que as almas eram liberadas do mundo dos mortos durante a vérspera de Samhain. Aqueles que tinham suas almas aprisionadas nos corpos de animais eram liberadas pelo Senhor dos Mortos e enviadas para suas novas encarnações.

A outra razão pela qual se usavam as roupas especiais era para se esconder desses espíritos maus e escapar das suas travessuras. Nem todas essas almas eram de pessoas honradas e respeitadas. Algumas eram temidas pois elas poderiam voltar ao mundo físico e destruir plantações, esconder o gado ou mesmo caçar as pessoas vivas que as tivessem feito o mal.

A representação final dessas roupas especiais era como uma forma de honrar os deuses e deusas Celtas da colheita, dos campos e dos rebanhos, dando graças e homenagens a essas divindades que ajudaram a aldeia através das provações e tribulações do ano anterior, e para pedir seu favor durante o próximo ano e os meses de inverno rigoroso que se aproximavam.

Além de festas e dança, acreditava-se que isso afinava o véu entre o mundo físico e o outro mundo, provendo energia extra para a comunicação entre os vivos e os mortos. Com essa facilidade maior de comunicação com o outro mundo, druidas e xamãs Celtas tentavam ler a sorte das pessoas através de uma variedade de métodos. Para um povo totalmente dependente do mundo natural, essas profecias eram importantes fontes de conforto e serviam como guias durante o longo inverno.

De Samhain para Halloween

Os Celtas foram conquistados pelos Romanos por volta do ano 40 da nossa era e, com a ascenção do Cristianismo por volta do ano 800, a Igreja tentou cristianizar os antigos festivais Celtas. Papa Bonifácio IV designou o dia 1° de novembro como "Dia de Todos os Santos", em honra a todos os santos e mártires cristãos. Ele também decretou que o dia 31 de outubro como "All Hallows Eve", que veio a se tornar o que conhecemos como Halloween.

É bastante aceito hoje que o Papa estava tentando suplantar os feriados pagãos por um dia santo cristão. Com o subsequente espalhamento da religião católica pela europa e pelo mundo, o nome também foi evoluindo até alcançar sua forma atual. 200 anos depois, no ano 1000 da nossa era, a Igreja decretou que o dia 2 de novembro seria o dia de Finados (All Souls Day), em homenagem aos mortos. Essa data era celebrada de forma similar a Samhain, com grandes fogueiras e vestindo fantasias de santos, anjos e demônios.

Gostosuras ou Travessuras

Gostosuras ou Travessuras (em inglês: Trick-or-treating) é uma tradição moderna, com suas raízes nas primeiras festas de Dia de Todos os Santos, na Inglaterra. Durante as festividades, pessoas pobres suplicavam por comida e as famílias lhes davam bolos chamados "Bolos de Alma", em troca de que essas pessoas orassem pelos mortos dessas famílias.

A distribuição dos bolos era encorajada pela Igreja como uma forma de substituir um antigo costume de deixar comida e vinho para os "espíritos vagantes". A prática, chamada de "Caça aos Espíritos", foi eventualmente pega pelas crianças que visitavam as casas de seus vizinhos e recebiam comida, bebida e até dinheiro.

Se fantasiar para o Halloween têm suas origens no fato de as pessoas se vestirem de maneira diferente durante o festival Celta do fogo sagrado, em Samhain.

Jack da Lanterna

Existem duas linhas de discussão sobre a origem das Lanternas de Halloween. Uma delas sugere que velas eram usadas para guiar os espíritos dos mortos enquanto estivessem caminhando no mundo físico. E essas velas eram colocadas em cuias decoradas e colocadas no chão para iluminar o caminho.

Outra linha vêm de um mito irlandês chamado "Jack Miserável". O conto é o seguinte.

Jack Miserável e o Diabo entraram em um bar e pediram um drinque. Jack convenceu o Diabo a se tornar uma moeda para pagar pelos drinques. Mas, em vez de usar a moeda, Jack guardou ela dentro do bolso, do lado de uma cruz de prata. A cruz impedia que o Diabo voltasse à sua forma original. Jack eventualmente libertou o Diabo, sob a condição de que ele não incomodaria Jack por um ano e, se Jack morresse nesse período, o Diabo não poderia reinvidicar sua alma. E o Diabo aceitou os termos.

Jack novamente enganara o Diabo. Dessa vez, o Diabo subiu em uma árvore para pegar uma fruta. Enquanto ele estava lá em cima, Jack esculpiu uma cruz na casca da árvore, de forma que o Diabo não pudesse descer. Novamente, Jack fez um acordo com o Diabo. ele libertaria o Diabo de cima da árvore se ele prometesse não incomodar Jack por 10 anos e, se Jack morresse nesse período, o Diabo não poderia reinvidicar sua alma. E o Diabo novamente aceitou os termos.

Não muito depois disso, Jack veio a morrer. Mas, por causa da sua travessura, Deus não permitiu que ele entrasse no Céu. E por manter sua palavra de não reinvidicar sua alma, o Diabo não permitiu que Jack entrasse no inferno. Ao invés disso, ele enviu Jack para a Escuridão do Mundo entre os Mundos com nada mais do que um pedaço de carvão. Jack colocou o carvão aceso dentro de um nabo e vem vagando pela terra desde então. A tradição irlandesa passou a se referir ao conto como "Jack da Lanterna".

Os povos irlandeses e escoceses começaram a fazer lanternas cavando rostos assustadores em nabos (e os americanos mais tarde, em abóboras) e colocando as mesmas em janelas ou próximos de portas para assustar e afastar espíritos vagantes.

Conclusão

Tendo ou não importância para nosso contexto cultural, o mais importante é entender o porque de uma festividade. Todas as datas festivas do nosso calendário têm uma história bem mais profunda para nos contar, e saber um pouco mais delas nos faz pensar um pouco mais sobre nossa história aqui nesse planeta, não?

Então, boas travessuras pra vcs!

Fontes:
The History of Samhain and Halloween
Hallowe'en / Halloween / Samhain
Samhain (Samain) - The Celtic roots of Halloween