quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Samhain - Ano Novo Celta

Há algum tempo eu participei de um grupo de wiccanos, por minha familiaridade com as crenças que eles professam. Não que me sinta ligado à sua crença, mas porque sou bastante interessado na cultura Celta como um todo, desde sua raiz até suas manifestações modernas.

E uma dessas manifestações da cultura Celta se dará na próxima semana. É o ano novo Celta, representado pelo sabbath de Samhain (se pronuncia Sou-wen). Celebrado no dia 31 de outubro, ele representa o fim e o começo do Ano. Samhain é conhecido como Halloween, Hallowmas, Dia de Todos os Santos e é a Noite Sagrada que marca o início da parte escura do ano, com a proximidade do inverno, simbolizando o fim da colheita. Esse ritual é dedicado aos ancestrais, à Morrighan, Dagda e Manannán Mac Lir.

Samhain significa "sem luz" ou "fim do verão", a noite em que o mundo mergulha na total escuridão da alma, preparando-nos para a chegada das noites frias. Na Irlanda antiga, todos os anos um novo fogo sagrado era aceso, com o qual se acendiam todos os demais fogos do vilarejo para queimar durante todo o inverno, com o objetivo de levar luz através do tempo escuro do ano...



A comemoração do Ano Novo Celta é um momento misterioso que não pertence nem ao passado, nem ao presente, nem a este mundo e nem ao outro. É o momento onde os portões entre os mundos se abrem e o véu que os oculta, se torna mais tênue. Época ideal para acessarmos o Outro Mundo.

Samhain marca também o início de um novo período e um novo recomeço em nossas vidas. Homenageie a memória dos antigos preparando alimentos de sua preferência e contando suas histórias aos seus descendentes. Ao anoitecer, acenda velas nas janelas da frente de sua casa, em sinal de respeito aos seus antepassados.

Os celtas praticavam rituais de purificação, queimando simbolicamente, nas fogueiras ou no caldeirão, todas as suas frustrações e as ansiedades do ano anterior. Este festival é sinônimo de quietude, introspecção e renovação - representada pela união sagrada de Morrighan e Dagda.

O sentido de Samhain é nos sintonizarmos com os que já partiram para lhes enviar mensagens de amor e harmonia. A noite do Samhain é uma noite de alegria e festa, pois marca o início de um novo período em nossas vidas, sendo comemorado com muito ponche, bolos e doces.

Mais sobre Samhain

A versão cristã do Samhain é o Dia de Todos os Santos (1o de novembro), que foi introduzido pelo Papa Bonifácio IV, no século VII, para substituir o festival pagão. O Dia dos Mortos (que cai a 2 de novembro) é outra adaptação cristã ao antigo Festival dos Mortos. é observado pela Igreja Católica Romana como um dia sagrado de preces pelas almas do purgatório.

Em várias regiões da Inglaterra acredita-se que os fantasmas de todas as pessoas destinadas a morrer naquele ano podem ser vistos andando entre as sepulturas à meia-noite de Samhain. Pensava-se que alguns fantasmas tinham natureza má e, para proteção, faziam-se lanternas de abóboras com faces horrendas e iluminadas, que eram carregadas como lanternas para afastar os espíritos malévolos. Na Escócia, as tradicionais lanternas Hallows eram esculpidas em nabos.

Um antigo costume de Samhain na Bélgica era o preparo de "Bolos para os Mortos" especiais (bolos ou bolinhos brancos e pequenos). Comia-se um bolo para cada espírito de acordo com a crença de que quanto mais bolos alguém comesse, mais os mortos o abençoariam.

Outro antigo costume de Samhain era acender um fogo no forno de casa, que deveria queimar continuamente até o primeiro dia da Primavera seguinte. Eram também acesas, ao pôr-do-sol, grandes fogueiras no cume dos morros em honra aos antigos deuses e deusas, e para guiar as almas dos mortos aos seus parentes.

Era no Samhain que os druidas marcavam o seu gado e acasalavam as ovelhas para a Primavera seguinte. O excesso da criação era sacrificado às deidades da fertilidade, e queimavam-se efígies de vime de pessoas e cavalos, como oferendas sacrificiais. Diz-se que acender uma vela de cor laranja à meia-noite no Samhain e deixá-la queimar até o nascer do sol traz boa sorte; entretanto, de acordo com uma lenda antiga, a má sorte cairá sobre todo aquele que fizer pão nesse dia ou viajar após o pôr-do-sol.

Erros comuns nas histórias sobre Samhain

Algumas pessoas associam a data com a celebração do retorno do Deus Celta da Morte, trazendo as almas dos mortos para que as pessoas lhes prestem homenagem. Esse é um erro que normalmente é associado ao fato do Halloween ser comemorado em conjunto com Samhain.

Nos cultos modernos de Samhain, celebra-se na verdade a morte do Deus, que irá renascer da Deusa em Yule. Portanto, Samhain não é um Deus da Morte. Samhain é na verdade a representação da Morte de um Deus.

Mas, Samhain não é uma divindade Celta? Sim e não.

Sim, ele existe como divindade. Mas não Celta. Várias fontes de informações neopagãs citam Sahmain como essa divindade. Samhain existe como um herói menor na mitologia Celta. Sua principal história era a de que Balor do Olho Maligno (um rei da raça de gigantes meio-divinos, chamada Formorians) roubou sua vaca mágica. Sua existência é pouco conhecida, mesmo entre os historiadores Celtas. Ele foi um herói, não um Deus. É mais provável que ele tenha sido nomeado depois da definição do nome da celebração, ao invés do contrário.

Não, não existe divindade com esse nome e todas as fontes católicas confiáveis estão erradas. O Grande Deus Samhain voi inventado por volta do século 18, sob a forma de um Deus da Morte, antes que o povo Celta (e sua religião) fossem estudados por arqueologistas e históriadores.

Em resumo, falar que em Samhain se comemora a vinda desse Deus da Morte, na minha opinião, foi uma forma que os catolicans acharam de relacionar seus mitos com os mitos Celtas, em busca de novos seguidores.

Sobre a comemoração de Samhain no hemisfério Sul

Alguns de vocês devem estar se perguntando por que comemorar Samhain agora, já que no hemisfério sul estamos na época de Beltane. Falando um pouco da minha experiência pessoal (pois a forma como encaramos a roda do ano é bastante pessoal), foi com a Roda Mista que eu consegui realmente me inserir na Roda do Ano. Quando comecei a seguir esse caminho druídico, eu rodava pelo Sul, para manter a coerência dos solstícios e equinócios, mas logo me vi com um problema: eu simplesmente não conseguia celebrar Beltane em finados, indo ao cemitério com minha família levar oferendas aos que já morreram e com a chuva caindo lá fora (sempre chove em finados na minha cidade).

Achei bem mais fácil celebrar Samhain nessa data em vez de quebrar esse costume que eu tenho desde criança e que todos ao meu redor também praticam. Desde então eu não inverto mais os festivais celtas, pois todos eles continuam na forma de outras festas em suas datas originais. Finados e dia de Todos os Santos é Samhain (honra aos mortos e divindades). Maio é mês das noivas, tema de Beltane, que nos fala do amor sensual e da fertilidade. Imbolc, festa de Brighid, deusa da tríplice chama, que está viva na forma da festa da candelária, também com a temática do fogo.

Outro exemplo de como se pode trabalhar no Hemisfério Sul sem inverter os temas originados no Hemisfério Norte é o da astrologia. O zodíaco é todo orientado pelo Hemisfério Norte e aqui no Hemisfério Sul ele não é invertido e os signos continuam fazendo sentido para nós. Podemos observar detalhes interessantes: escorpião, signo do mês de outubro/novembro (Samhain), é regido por plutão, que é o grego Hades, senhor do mundo dos mortos (o Outro Mundo, tema de Samhain). Touro, signo do mês de abril/maio (Beltane), é regido por vênus, que é a grega Afrodite, deusa do amor e sedução (temas de Beltane).

Já nos solstícos e equinócios é necessário que se faça a inversão em relação ao Hemisfério Norte para que as estações sejam celebradas com coerência, pois no solstício de inverno faz frio, no solstício de verão faz calor, no equinócio de primavera as árvores explodem em cores e no equinócio de outono, suas folhas morrem. Celebrar as estações pelo Hemisfério Norte (isto é, celebrar o solstício de verão em nosso inverno, por exemplo), nos impede de vivenciar plenamente a Natureza ao nosso redor.

Resumindo, ao decidir seguir a Roda Mista, passei a cultuar os solstícios e equinócios pela roda Sul e me concentrar na manifestação da natureza ao meu redor, isto é, o que está acontecendo fora de mim. Ao cultuar os festivais celtas pelo Norte, me concentro na honra aos deuses relacionados às datas (Imbolc, Brigit; Lughnasadh, Lugh e sua mãe Tailtiu; Beltane, Belenos; Samhain, Morrigan e Dagda) e nos temas celebrados pelos celtas nessas datas (Samhain, honra aos ancestrais; Beltane, honra à fertilidade, etc).

Conclusão

Bom, é isso. Bom Samhain e Feliz Ano Novo Celta para vocês!

Fontes:
Religious Tolerance
Roda dos Anos Mista