quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

FF7 - On a Way to a Smile - Tifa

Vamos à mais uma história do Final Fantasy VII Complete ...

"On a Way to a Smile - Tifa"

Tifa se despediu do último cliente de seu bar, Seventh Heaven, antes de voltar para dentro para limpar o balcão. A sala estava silenciosa, com uma iluminação mínima, mas adequada. Não havia ninguém lá além de Tifa. Há alguns dias atrás o trabalho não parecia tão cansativo. Ela gostava de trabalhar ao lado de sua família, esquecendo todos os problemas, mas agora a água ficou fria, e ela não consegue mais manter a mesa limpa. Tifa ligou todas as luzes do bar, numa tentativa de mudar o clima. Por um breve momento, o local se iluminou um pouco, mas o suprimento instável de energia não deixou que durasse muito. O bar estava escuro de novo. Um sentimento de desconforto tomou conta dela. Ela imaginava se estava sozinha ali. Não podia agüentar esse pensamento, e chamou o nome da garota...



"Marlene!"

Em pouco tempo, passos macios eram ouvidos vindos do quarto da criança, e Marlene apareceu.

"Shhhh!", ela disse, colocando o dedo nos lábios. Tifa se desculpou, mas estava aliviada.

"Denzel finalmente dormiu."

"Ele estava sentindo dor?"

"Sim."

"Você poderia ter me chamado."

"Denzel não deixou."

"Entendo..."

Tifa se culpava por permitir que a criança se preocupasse.

"O que foi?"

"Hmmm... O que?", Tifa respondeu sem sentido, tentando esconder seus sentimentos. Marlene olhava para a loja vazia.

"Está se sentindo sozinha?", a menina entendia a situação. "Eu não vou a lugar nenhum."

"Obrigada. Você deveria ir dormir também."

"Eu já estava quase dormindo!"

"Desculpe."

"Ela é minha filha. Foi assim que a apresentei às pessoas. Seus pais morreram há não muito tempo atrás e ela foi adotada pelo melhor amigo do pai, Barret."

Tifa aprendeu muito sobre Marlene desde que conheceu Barret e começou a trabalhar com ele. Era simplesmente natural Barret ter confiado Marlene a Tifa quando decidiu partir em uma jornada para resolver seu passado.

Tifa parou de limpar e seguiu Marlene para dentro. No quarto da criança, havia duas camas, uma ao lado da outra. Lá, Denzel dormia bem. A cicatriz de Geostigma na testa do jovem de apenas 8 anos era uma visão dolorosa. Nada podia ser feito para acalmar os sintomas, o garoto sofria e suas condições não melhoravam em nada. Denzel se mexeu um pouco quando Tifa limpou sua testa ensopada, mas continuou dormindo. Marlene, que observava Denzel, chamou por Tifa após se sentar em sua cama.

"Você ainda se sente sozinha, mesmo com a gente aqui, não é?"

"Desculpe-me", Tifa respondeu honestamente.

"Está tudo bem. Nós também somos assim."

"Eu entendo."

"Onde será que Cloud está?"

Tifa abaixou a cabeça, incapaz de responder. Cloud estava em algum lugar de Midgar. No início, ela imaginava que o pior poderia ter acontecido. Talvez ele tivesse sofrido um acidente no trabalho, ou talvez tenha sido atacado por um monstro.

Ela logo descobriu que ele ainda estava bem. Muitas pessoas o viram. Ele apenas foi embora de casa, só isso. Tifa tentava convencer as crianças de que não havia problemas, mas ela mesma não estava convencida. Em pouco tempo, as crianças perceberam que alguma coisa aconteceu.

"Porque ele foi embora?"

"Eu não sei. Talvez todos os tipos de problemas tenham ocorrido entre nós."

Mas Tifa se lembrava do sorriso no rosto de Cloud da última vez que o viu. Foi aquela bondade que a fez acreditar que tudo estava bem.

"Imagino se eu estava enganada."

...

Num dia destinado, um meteoro caiu do espaço. Emergindo do núcleo do Planeta, o Lifestream se fundiu e o destruiu. Tifa e seus companheiros assistiram à cena no céu.

"Eu gostaria que tudo apenas desaparecesse. Desaparecesse do meu passado. Do nosso passado. Talvez eu também tenha sentido o terror inevitável que viria com o alívio do fim da batalha."

"Eu imagino se poderia continuar vivendo como era."

Quando alguém se fazia esse tipo de pergunta, ela diria que deve-se sempre ir em frente não importa o que aconteça. Mas agora que quem perguntava era ela, a resposta era incerta.

Graças ao desenvolvimento de energia Mako da Shin-ra, o mundo estava prosperando. A luz cobria a superfície do mundo, mas ao mesmo tempo, algo muito mais obscuro estava acontecendo. O grupo anti-Shin-ra, "Avalanche", surgiu para fazer o mundo descobrir que obscuridade era essa.

A energia Mako estava levando o Planeta à destruição. Apesar das atividades de resistência da Avalanche, pouco mudou e o resultado não parecia bom. Depois que a humanidade adquiriu os benefícios do Mako, era difícil para ela se voltar contra ele. Num esforço para mudar a situação, Avalanche escolheu tomar medidas extremas. Na cidade de Midgar, onde muita quantidade de energia Mako era consumida e muitas pessoas viviam, eles explodiram um dos reatores.

Devido a um erro de cálculo na bomba, a área que foi destruída era maior do que o planejado. As áreas vizinhas ao reator Mako também foram destruídas. Em resposta ao incidente, a Shin-ra começou a agir para acabar com a Avalanche. Um setor inteiro de Midgar, onde ficava o esconderijo da Avalanche e muitas pessoas viviam, foi completamente destruído. Foi um ato brutal da Shin-ra para destruir o pequeno grupo rebelde Avalanche. Ao final do incidente, Avalanche se tornou a razão de tantas vidas inocentes terem sido perdidas.

Essa Avalanche era o grupo ao qual Tifa pertencia.

Ela acreditava que esses sacrifícios eram inevitáveis para chegar ao objetivo. Eles sempre estavam prontos para sacrificar suas vidas também. Mas após a catástrofe, Tifa e os outros perderam a direção de seu propósito original. Em meio à guerra com a poderosa Shin-ra, eles logo se encontraram enfrentando o poderoso Sephiroth. Tifa, ao lado de seu amigo de infância, Cloud, o outro sobrevivente da Avalanche, Barret, Aerith, que eles conheceram durante o caos, e Red XIII, partiu numa jornada. Após mais uma série de eventos, Cid, Cait Sith, Yuffie e Vincent também se tornaram seus companheiros.

Parecia que uma nova amizade estava florescendo, mas haveria um preço a pagar. Aerith perdeu a vida.

Mesmo assim, a jornada ainda não estava acabada. Olhando para trás, Tifa podia sentir que a luta estava chegando ao fim, embora eles não soubessem se iam vencer ou perder.

"Tudo começou quando eu ainda era uma adolescente. Houve alguns problemas no reator Mako que foi construído perto da minha cidade natal, Nibelheim, e nossa segurança estava ameaçada."

"Sephiroth foi despachado pela Shin-ra para resolver o problema, mas ele matou meu pai. Eu não consegui conter o ódio que senti dele e da Shin-ra. E então me juntei à Avalanche. Sim. Esse foi o início do ressentimento que eu guardava dentro de mim. Os ideais que a Avalanche usava sobre como eles eram anti-Shin-ra e anti-Mako eram justamente o que eu precisava para esconder meus verdadeiros motivos. Mas muitas vidas foram sacrificadas enquanto nós tentávamos salvar o Planeta. Tudo foi apenas uma vingança pessoal então..."

O pecado abalava o coração de Tifa.

Ela imaginava se poderia viver com esses sentimentos. Tifa tinha medo de seu futuro. Ela olhava para o céu em silêncio.

Ao mesmo tempo, Cloud estava sentado ao lado dela, olhando para o mesmo cenário, mas ele estava sorrindo. Era um sorriso que ela não havia visto antes, durante sua jornada. Cloud notou seu olhar e perguntou: "O que foi?"

"Cloud, você está sorrindo."

"Estou?"

"Sim."

"Tudo começará agora. Uma nova...", Cloud procurou as palavras certas, "Uma nova vida."

"Eu vou viver. Acho que é a única maneira de eu ser perdoada. Nós passamos por... Todo tipo de coisa."

"Acho que você está certa."

"Mas quando eu penso em quantas vezes eu já quis começar uma vida nova, é até engraçado."

"Por quê?"

"Eu nunca consegui."

"Isso não é engraçado."

"... Acho que dará certo dessa vez."

Cloud ficou muito quieto por um momento. E então ele disse: "Porque você está sempre comigo."

"Nem sempre eu estive com você."

"Mas é assim que será a partir de amanhã.", Cloud respondeu sorrindo de novo.

...

Tifa foi ver Aerith com seus companheiros. Aerith, que agora estava no fundo do lago da Cidade Esquecida. O mundo que ela quis salvar em troca de sua vida certamente ficaria bem agora. Isso é o que eles pensavam. Tifa ouviu uma voz perguntando se ela estava bem. Ela não sabia se era Aerith ou ela mesma. Ela não conseguia evitar de chorar. Quando Sephiroth tirou a vida de Aerith, Tifa não sentiu nada. Havia tristeza, mas essa tristeza aumentou ainda mais o ódio que ela sentia pelo inimigo. Pelo menos agora ela entendia a dor e tristeza que sentia, com seu coração se partindo sempre que visitava esse lugar. Ser membro da Avalanche e estar sempre com um grupo grande de pessoas criou esses sentimentos. As lágrimas não paravam.

"Sinto muito. Sinto muito."

Ela sentia as mãos de Cloud em seus ombros. Ele a abraçava firmemente, para que não fosse a lugar nenhum. Por enquanto, ela apenas se permitiria chorar o quanto quisesse. E então deixaria o resto com ele.

Sozinha, ela não sabia o que fazer.

...

Tifa e os companheiros com os quais esteve durante toda a jornada se separaram tão rapidamente quanto se aliaram. Vincent foi embora sem alardes, como um daqueles passageiros que se senta a seu lado no trem. Yuffie protestou. Não era certo que eles se separassem assim depois de tudo que passaram juntos. Barret foi quem disse a ela que eles poderiam se ver sempre que quisessem. Ou talvez tenha sido Cid. Após prometerem se reencontrar um dia, Tifa, Cloud e Barret se separaram dos outros, partindo para a Cidade de Corel. Era a cidade natal de Barret. As tragédias que aconteceram aqui por causa do Mako foram o que iniciaram tudo para ele. Ficando em silêncio por um momento, ele disse para os outros não o seguirem. Ele também tinha que seguir em frente com seus pecados.

Eles também foram a Nibelheim, a cidade natal de Cloud e Tifa. Eles não sentiram nenhuma nostalgia. Lembravam-se claramente dos incidentes que aconteceram na cidade.

"Eu não devia ter vindo.", disse Cloud. "Isso me leva de volta ao passado."

As palavras de Cloud falavam por Tifa também.

...

Eles foram a Kalm. Lá, esperando por eles, estava a mãe adotiva de Aerith, Elmyra, e a menina que foi deixada a seus cuidados, Marlene. Duas parentes de Elmyra moravam em Kalm, e foi lá que elas ficaram. Barret e Marlene estavam felizes em se ver de novo. Cloud contou a Elmyra o que aconteceu com Aerith.

Não havia sinais de como eles aceitaram isso, mas Tifa, Cloud e Barret se desculparam por não terem conseguido salvar Aerith.

"Vocês fizeram tudo que podiam. Não há necessidade de se desculpar.", disse Elmyra.

Tifa e os outros não podiam dizer nada em resposta.

"Nós realmente fizemos tudo que podíamos?"

Havia muitas pessoas se refugiando em Kalm. As casas normais viraram abrigos de emergência. Os moradores de Kalm não os cobravam, embora pudessem fazer isso. Até mesmo a estalagem providenciou quartos para os necessitados de graça. Era como se todos estivessem colaborando para reconstruir o mundo.

"Vamos para casa.", disse Cloud.

"Para onde?", Barret perguntou.

"Nossa realidade suspensa."

"Mas o que isso quer dizer?"

"Nossas vidas normais."

"E onde nós temos algo assim?"

"Vamos encontrar um lugar.", Cloud olhou para Tifa e disse: "Certo?"

"É!", gritou a animada Marlene. Tifa também concordou, mas como Barret, ela imaginava onde eles poderiam ter uma vida normal.

Os quatro chegaram de volta a Midgar. A cidade se recuperou de todo o choque e caos que aconteceu depois que o meteoro foi destruído. As pessoas estavam vivendo de novo, com esperanças no futuro... Não, se preocupavam apenas com o presente por enquanto. Ver isso fez Tifa se culpar de novo. Quando ela olhou Midgar do céu, desejou que tudo apenas tivesse sido varrido. Ela não sabia que ainda havia tantas vidas aqui. Tifa não podia se perdoar por ter sido tão egoísta. Ela contou a Cloud e Barret o que estava pensando quando estava na aeronave. Barret e Cloud entendiam como ela se sentia e concordavam. Não importava onde eles estivessem ou o que fizessem, não poderiam se livrar dos pecados em suas mentes.

"Já que é esse o caso, vamos viver. Vamos viver até pagar por nossos pecados. É o único jeito.", disse Barret.

Quando Cloud e Tifa estavam sozinhos, Cloud disse a ela: "Não é comum você se incomodar com pensamentos."

"É... Assim que eu sou."

"Não. Você é muito mais animada e forte. Se você esqueceu como você era, então eu vou fazer você lembrar."

"Vai mesmo?"

"Provavelmente.", Cloud disse, corado.

A primeira coisa que eles fizeram foi reunir informações em Midgar. Havia falta de materiais, mas o mais importante, não havia nenhuma informação circulando sobre o que fazer. Os três se dividiram e saíram dividindo as informações que tinham com os que precisavam delas, sobre onde eles podiam conseguir provisões, por exemplo. Eles ajudaram as pessoas que não podiam se mover sozinhas. À noite, dormiram sob uma parte do prato de Midgar, que segundo os rumores, podia cair a qualquer hora.

Um dia, Barret apareceu com uma garrafa de vinho, um aquecedor e várias frutas. Ele os ganhou como gratidão por ajudar a derrubar uma casa.

"Vejam", Barret disse enquanto habilidosamente preparava uma refeição que ninguém nunca viu antes. O vinho havia sido deixado em estoque por duas semanas. Eles descobriram que era um tipo de vinho especial feito na cidade de Corel. Tifa e Cloud beberam lentamente. Barret literalmente se afogou no vinho. Ele parecia estar se divertindo, enquanto falava de suas lembranças de tempos pacíficos. Ele contou de como uma vez bebeu demais e caiu num poço. Ele também mencionou como esqueceu porque pediu sua falecida esposa em casamento, que estava bêbado na ocasião. Já fazia muito tempo que Cloud e Tifa não riam assim.

No dia seguinte, Barret disse num tom sério: "Que tal começarmos um negócio e vendermos esse vinho?"

"Nós?", Cloud perguntou, surpreso.

"É claro, seu idiota! Mas nós dois nunca vamos atrair clientes. Tifa fará isso."

"Eu?"

"Você é boa nisso."

Há não muito tempo atrás, o esconderijo da Avalanche era um bar chamado Seventh Heaven. Esse bar custeava as vidas e atividades dos membros. Tifa era a garçonete, ou mais corretamente, a dona do bar. Barret continuou.

"Do meu ponto de vista, as pessoas de Midgar podem ser divididas em dois tipos: os que estão sem rumo e ainda não aceitam o que aconteceu com a cidade e os que estão trabalhando para seguir em frente. Eu entendo como ambos se sentem. Todos estão enfrentando seus problemas, mas apenas encontraram soluções diferentes, certo? A solução para o problema de todos é vinho."

"E por quê?"

"Eu não sei. Mas quando estávamos bebendo ontem, nós rimos. Esquecemos todos os problemas, certo? É esse o momento que estamos procurando."

"É, acho que você está certo."

"Momentos assim são importantes, não? Hei, Tifa, o que você acha?"

Tifa não respondeu imediatamente. Ela entendia o que Barret estava dizendo, mas abrir um bar a faria relembrar os tempos da Avalanche de novo. Cloud falou.

"Tifa, vamos fazer isso. Se ficar muito difícil, podemos desistir."

"Não será difícil. Se Tifa não trabalhar, ela vai acabar pensando em todos os tipos de coisa. E então ela não poderá fazer nada."

Isso pode ter sido verdade.

Os três fizeram os preparativos. Decidiram construir seu novo negócio na cidade nova, Edge, que ficava a norte de Midgar.

Todas as pessoas que Barret e Cloud haviam ajudado antes se reuniram. Eles transportaram todos os materiais que seriam usados para construir partes da loja, como paredes e pilares.

Barret dava ordens escandalosamente, enquanto Cloud os corrigia sem muito alarde. Tifa, por outro lado, aprendeu a fazer o vinho de Corel e melhorou seu sabor. Ela também pensava na comida que poderiam colocar no menu. Marlene era como um mascote do bar. Era como se ela gostasse da idéia de algum dia ser garçonete ali. Era duro resolver os problemas que surgiam todos os dias, mas para Cloud, Tifa e Barret, isso servia como distração. Às vezes, Tifa se sentia culpada por seus pecados quando sorria, mas esse pensamento logo era interrompido por alguém vindo chamá-la.

Mais alguns dias e eles poderiam abrir o novo bar, Cloud disse. Barret perguntou o que eles fariam quanto ao nome. Houve algumas sugestões, mas as de Cloud eram todas sem sentido, enquanto as de Barret sempre envolviam monstros. No final, Tifa teve de decidir. Os dois homens prometeram não reclamar, não importando qual nome ela escolhesse. Mas já era quase o dia da inauguração e Tifa não teve tempo para pensar nisso, com todo o trabalho que tinha. Um dia, Marlene repentinamente perguntou o que eles iam fazer quanto ao nome do bar.

"Ainda estamos pensando nisso."

"Eu gostaria que fosse Seventh Heaven", disse Marlene. Era um nome que Tifa queria evitar.

Ter o passado dentro de si já era suficiente. Não havia necessidade de escolher um nome que a fizesse lembrar dele.

"Por quê?"

"Porque era divertido. Se for Seventh Heaven, todos vamos nos divertir de novo."

"Nós havíamos esquecido que Marlene não tem nada a ver com as ambições e pecados dos adultos. Para ela, Seventh Heaven era um lar feliz onde Barret, eu e os outros viviam."

"Hmmmm, Seventh Heaven..."

"Eu não podia apagar meu passado. Só podia aceitar e seguir em frente."

Tifa decidiu que estava pronta.

O primeiro dia de funcionamento do Seventh Heaven foi um grande sucesso. O vinho de Corel era algo que ninguém podia resistir, então o preço não era nada. Por causa dos ingredientes limitados que eles tinham, não podiam fazer nenhuma refeição especial. Mesmo assim, as pessoas procuravam lugares como esse. Um lugar onde pudessem beber com amigos. Um lugar onde pudessem esquecer a triste realidade ou talvez até mesmo pensar em um futuro melhor. Aqueles que não tinham dinheiro podiam pagar com itens. Uma variedade de sucos também era preparada para as crianças. Eles só serviam aqueles que Marlene experimentava e aprovava. Ela era alguém que não perdia nada. Marlene era a recepcionista, mas não ficava até muito tarde. Aqueles que bebiam demais eram convidados a se retirarem.

Barret organizava os vinhos. Talvez ele planejasse ser o sommelier. O trabalho de Cloud era obter os ingredientes para as refeições e vinho. Ele não sabia os nomes da maioria das frutas e vegetais. No início, Tifa ficou surpresa, mas quando pensou na vida que Cloud levava, compreendeu. Era engraçado pensar que a nova vida de Cloud iria começar com vegetais. "Não, eu não devo rir", Tifa pensava consigo mesma.

Cloud não era bom em socializar. Ele não era bom em comunicação, mas mesmo assim, saía para negociar os ingredientes que precisavam. Com o tempo, ele progrediu.

Após a primeira semana de funcionamento, Barret disse aos outros que ia partir em uma jornada, já que os negócios estavam indo bem. Ele ia deixar Marlene para trás.

"Quero partir numa jornada para encerrar meu passado."

Cloud desaprovou.

"Encerrar seu passado? Mas eu quero fazer isso também."

"Você pode fazer isso aqui. Não viva apenas tirando algo dos outros. Tente provar que você pode doar também."

Marlene, que sempre dormiu com Tifa, dormiu com seu pai adotivo, Barret, na noite anterior à partida dele. Eles ficaram conversando até tarde da noite.

Na manhã seguinte, Barret partiu.

Atrás dele, Marlene gritou: "Escreva para mim! Telefone também!"

Barret acenou com seu braço direito artificial. Ele continuou andando, sem olhar para trás. Era uma figura que até agora não conheceu uma vida sem lutas.

"Eu imagino que tipo de vida ele encontrará. Espero que fique longe da guerra. Não apenas tirar algo de alguém. Espero que ele possa doar também."

"Seja um bom garoto!"

Cloud e Tifa se entreolharam, enquanto ouviam as palavras de Barret: "Ser um bom garoto???"

"Eu cuidarei de Cloud e Tifa!"

Barret se virou e disse: "Cuidem-se!", sua voz estava um pouco trêmula.

"Mantenham a família junta e continuem assim!"

...

"Amigos eram uma necessidade para mim, para que eu pudesse viver sem ser esmagada pelos pecados na minha consciência. Mesmo que eles fossem companheiros de luta, que dividiam os mesmos sentimentos. Mesmo que fossem companheiros amaldiçoados com os mesmos pecados. Não podíamos viver sem nos encorajar e apoiar. Talvez eu possa chamar isso de família. Nós apenas temos que manter a família junta e continuar assim."

Tifa acreditava que poderia superar qualquer coisa estando com amigos que pudesse chamar de família.

...

Já havia se passado vários meses desde que eles abriram o bar. Cloud, que havia saído para buscar o suprimento de ingredientes, telefonou. Ele queria discutir o privilégio de por quanto uma pessoa poderia comer e beber de graça durante toda a vida no Seventh Heaven. Tifa sabia o que ele queria dizer sem ouvir a história. Ela tinha certeza que havia alguma coisa que Cloud queria trocar por esse estranho privilégio, de qualquer maneira.

Era noite, e Cloud voltou numa motocicleta. Era um modelo que eles nunca tinham visto antes. Desde então, ele esteve ajustando-a sempre que conseguia algum tempo livre. Ele procurou um engenheiro conhecido para discutir modificações na motocicleta. Parece que algumas outras pessoas vieram ajudar Cloud a completar as modificações. Marlene e seus amigos também observavam. A cena fez Tifa crer que eles realmente haviam se tornado uma família.

Havia muitas vezes em que Cloud tinha de deixar a cidade para buscar suprimentos. O destino principal era Kalm. Ele precisava alugar uma moto, um caminhão, ou até mesmo um chocobo, mas agora, ele tinha sua própria moto. Ocasionalmente, parece que ele viajava até mais longe e conseguia algumas especiarias raras.

Uma noite, um telefonema para Cloud. Após conversar um pouco no telefone, Cloud disse que precisava sair.

"Onde você vai?"

"Como direi isso..."

Cloud disse a Tifa que houve muitas vezes em que ele fez entregas enquanto buscava os suprimentos. Quem ligou foi o dono de uma loja que fornecia vegetais. Parece que havia alguma coisa que ele queria que Cloud entregasse de qualquer jeito antes da noite acabar. Cloud olhou para Tifa como uma criança que acaba de ter seu segredo revelado.

"Porque você está me olhando assim?", ela perguntou.

"Bem... Desculpe por não ter dito nada sobre isso..."

"Sobre o quê?"

"Fazer o que eu queria."

Tifa disparou a rir. Cloud continuou, dizendo que recebia dinheiro extra pelas entregas. Ele se sentia culpado por gastar tudo nas modificações de sua motocicleta. Tifa achava que ele estava agindo como uma criança. Pode ter sido um pouco triste que Cloud encontrou um outro mundo que ela não conhecia, mas o fato de que este mundo estava se expandindo era um fato bem-vindo. Sim, era muito bem-vindo. Tifa acompanhou Cloud até a porta, e estava muito feliz com o que estava sentindo.

...

Tifa conseguia conviver com os pecados em sua consciência agora, mas ela não os esqueceu. Algum dia, ela pode ser punida. Mas até esse dia chegar, Tifa ia olhar para frente e viver. Ela ia viver não para tirar algo de alguém, mas para provar que pode doar também.

...

Tifa encorajou Cloud seriamente a abrir um serviço de entregas por encomenda. Eles podiam receber os pedidos no bar. Quanto aos telefonemas, Marlene ou ela mesma podia recebê-los. Cloud hesitou, mas, após pensar nisso por uma noite, aceitou a sugestão. Ele estava apenas hesitando de novo, afinal.

E então, esse foi o início do Serviço de Entregas Strife. Midgar era o centro do negócio, mas eles também faziam entregas em todo o mundo. Mas apenas nas áreas que Cloud podia chegar de moto, é claro. Cloud sorria ao ver como era um grande empresário. Seu trabalho também era um grande sucesso. Era uma época em que enviar coisas não era tão fácil. Monstros ainda rondavam os campos, e havia estradas que agora estavam em regiões de perigo, por causa do Lifestream que se espalhou. Esse trabalho de viajar pelo mundo não era algo que qualquer um poderia fazer. Era o trabalho que ele estava esperando. Tifa achava maravilhoso que Cloud, que não era muito social, estava fazendo um trabalho que ligava as pessoas.

Depois que Cloud começou esse serviço de entrega, a vida da "família" mudou drasticamente. Não estava muito bom. Cloud normalmente não estava em casa, exceto pela manhã ou tarde da noite. E, é claro, isso significava que havia menos oportunidades para os três conversarem. Tifa tentou fechar o bar uma vez por semana, mas isso não impediu Cloud de fazer seu trabalho. Cloud não podia negar pedidos. Apesar de Tifa querer que eles tivessem algum tempo juntos de vez em quando, ela decidiu que era egoísmo da parte dela. Nesse período, foi Marlene quem notou uma mudança em Cloud. Ela disse a Tifa que Cloud às vezes olhava para o céu e não prestava atenção nela.

"Cloud nunca se aproximou realmente de Marlene para conversar, mas tenho certeza que ele nunca a ignorou antes quando ela falava com ele. Eu sabia que Cloud tinha suas próprias maneiras de lidar com Marlene. Eu pensava em como havia milhares de pessoas por aí que não são boas com crianças, mas têm suas próprias maneiras de se relacionar com elas. Eu disse a ela que Cloud provavelmente estava apenas cansado, mas isso me incomodou. Marlene era uma criança sensível às mudanças dos adultos."

Durante o feriado, Tifa e Marlene estavam limpando a sala que agora era o escritório de Cloud. Havia muitos papéis espalhados e desorganizados. Um deles chamou a atenção de Tifa.

...

Nome do Cliente: Elmyra Gainsborough

Entrega: Buquê de Flores

Destino: Cidade Esquecida

...

Tifa colocou o papel junto com os outros como se nada tivesse acontecido. Mas ela estava tremendo. Transportar mercadorias pelo mundo significava que Cloud estava se envolvendo com seu passado também. Ela sabia que Cloud sofria muito por não ter conseguido salvar Aerith. Ele já estava quase superando isso, mas voltar ao lugar onde ele e Aerith se separaram significava que seu sofrimento e remorso voltariam para partir seu coração.

Era noite, e eles haviam fechado o bar. Cloud estava bebendo vinho, embora ele raramente faça isso. O copo ficou vazio. Tifa hesitou em enchê-lo.

"Posso me juntar a você?" - ela queria conversar com ele.

"Eu quero beber sozinho."

Ouvindo isso, Tifa perdeu o controle e disse: "Então beba no seu quarto."

Barret ligou algumas vezes. Quase nunca falava de si mesmo, sempre perguntando por Marlene. E então, sempre terminava a ligação conversando um pouco com ela. Marlene olhou se Tifa estava por perto antes de dizer a Barret: "Cloud e Tifa não estão se dando muito bem."

Não importa o que estivesse acontecendo entre Cloud e Tifa, eles não podiam envolver Marlene Tifa pensava nisso.

Tifa se esforçava para falar com Cloud. Quando Marlene estava por perto, ela escolhia assuntos mais positivos, coisas que não levassem a conversa a um rumo mais sério. Cloud estava incomodado com a maneira como Tifa mudava de repente, mas, entendendo o que ela pretendia, ele seguia seu raciocínio e conversava com ela. Até Marlene se juntava ao assunto.

...

"Eu gostava desses momentos. Mas não podia falar sobre o que realmente queria. Eu não sei o que dizer."

...

Um dia, Tifa contou uma história que ouviu de um cliente.

"Isso é realmente impossível.", Cloud disse.

"É impossível!", Marlene gritou.

Os adultos ficaram surpresos, e olharam para Marlene.

"Você já contou essa história antes! Cloud sempre responde a mesma coisa!"

...

"Não estava tudo bem, mas estávamos juntos. Éramos uma família. Vivíamos na mesma casa e nos sentíamos bem estando juntos. Talvez não houvesse muitas conversas ou sorrisos. Mas éramos uma família.", Tifa pensava. Não, era o que ela queria pensar.

...

Quando Cloud estava dormindo, ela disse a ele.

"Nós vamos ficar bem, não vamos?"

É claro, não houve resposta. Apenas o silêncio ecoou. Tifa imaginava se o fato de ele estar dormindo ali significava que era parte da família.

"Você me ama?"

Cloud acordou, com um olhar dúbio.

"Hei, Cloud. Você ama Marlene?"

"Sim. Mas às vezes não sei como me aproximar dela."

"Mesmo depois de tanto tempo juntos?"

"Talvez só isso não seja o bastante."

"Nós não somos o bastante para você?"

Cloud não respondeu.

"Desculpe por perguntar essas coisas estranhas."

"Não se desculpe. O problema sou eu."

Cloud fechou os olhos.

"Vamos nos esforçar juntos."

Cloud não respondeu.

...

Não muito tempo depois daquilo, Cloud trouxe Denzel para casa com ele. Denzel já estava inconsciente quando ele o trouxe até o bar. Era Geostigma. Cloud disse que aparentemente a síndrome começou há pouco tempo. Enquanto Tifa cuidava de Denzel, ela pensava em quantas crianças estavam infectadas com a mesma doença. Havia muitos abrigos para crianças que perderam os pais. Mesmo assim, porque Cloud trouxe Denzel aqui? Quando Tifa decidiu perguntar a ele, Cloud murmurou algo.

"Esse garoto veio até mim."

"O que você quer dizer?"

"Quero dizer..."

...

Depois que Denzel se recuperou, Tifa ouviu sua história. Sobre tudo que aconteceu com ele antes de chegar aqui. Então ela acreditou que ele estava destinado a vir até eles. Ele foi uma das vítimas de quando o Setor 7 foi destruído.

...

"O Setor 7 foi destruído por nossa causa. É por isso que eu tenho que aceitar a responsabilidade e criá-lo. Ele não foi até Cloud. Ele encontrou Cloud para vir até mim."

...

Tifa conversou com Cloud e Marlene sobre como ela queria Denzel na família. Cloud aceitou silenciosamente, mas Marlene ficou cheia de felicidade.

De início, Denzel insistia em ajudá-los como gratidão por cuidarem dele. Seu coração começou a se abrir mais ajudando Cloud com seu trabalho e no bar.

Era noite e o bar estava fechado. Enquanto limpava o salão, Tifa olhou para a mesa do centro. Lá estavam o dono do Serviço de Entregas Strife, Cloud, e seus dois assistentes, Marlene e Denzel. Denzel às vezes sofria por causa do Geostigma, mas quando não sentia febre ou dor, ficava ajudando Cloud. Todos os dias, Cloud passava muito tempo fora. Então quando ele estava em casa, era o precioso momento de Denzel com seu herói. Sim, Cloud era um herói para Denzel. Montado em sua motocicleta, salvou Denzel quando os sintomas do Geostigma apareceram e ele ficou às portas da morte... Era tudo que Denzel mais desejava. Denzel queria saber tudo sobre Cloud. Ele ficava perguntando para Tifa quando Cloud não estava em casa. Uma vez, Tifa, brincando, disse a Denzel que ela é que fazia a comida todos os dias. Denzel também disse, se vangloriando, que ele limpava a casa e o bar.

Era verdade e ele era muito bom em limpar. Quando Tifa perguntou se foi a mãe de Denzel que o ensinou a limpar, ele respondeu que não. No dia seguinte, Tifa perguntou a Cloud quem foi essa pessoa, pois Denzel havia contado a ele. Tifa ficou um pouco triste.

...

"Eu fiquei incomodada porque ele contou a Cloud apenas. Um dia eu tentei perguntar isso a alguém da mesma idade de Denzel. Ele respondeu que os garotos são assim mesmo. Então na verdade não havia nenhum problema. Éramos apenas uma família normal."

...

A resposta não a fez entender, mas as palavras "família normal" aliviavam Tifa.

...

Após fechar o bar, as três pessoas de sempre se sentaram em volta da mesa. Não seria uma surpresa se alguém dissesse que era um pai jovem com seus dois filhos. Se Tifa quisesse, poderia se aproximar, e seria recebida com agradáveis sorrisos.

Cloud abriu um mapa sobre a mesa. Estava revisando as rotas de entregas para o dia seguinte. Denzel e Marlene estavam organizando os papéis. Quando havia alguma palavra que Marlene não conhecia, ela pedia ajuda a Denzel. Ele então a ensinava, como um irmão mais velho. Quando havia palavras que nem mesmo Denzel conhecia, ele perguntava a Cloud. Cloud tinha o hábito de mandá-los escrever a palavra após ensiná-los. Ele dizia que se não escrevessem, nunca decorariam seu significado. Os vários nomes de lugares nos papéis deixavam as crianças curiosas, e elas perguntavam a Cloud como eles eram. As descrições de Cloud eram simples: "Há muitas pessoas", "Há poucas pessoas", "Há muitos monstros", "É perigoso"... Eram descrições que fariam qualquer um perguntar: "Só isso?", mas as crianças pareciam satisfeitas. Logo, Tifa quis conversar sobre esses lugares também. Quando ela adicionava mais detalhes, Denzel perguntava a Cloud se era verdade. Isso irritava Tifa um pouco. Mas ela também achava normal. É provavelmente assim que as famílias normais são.

Talvez eles tenham se tornado uma família de verdade depois que Denzel chegou. Cloud estava claramente trabalhando menos. À noite, sempre reservava um tempo para ficar com as crianças. As conversas descontraídas com Tifa também retornaram.

...

"Então, o problema foi resolvido?"

"Que problema?"

"O seu problema."

"É..."

...

Cloud ficou pensativo.

"Não tem problema se não quiser me contar."

"Eu não sei explicar direito...", Cloud avisou antes de começar a falar. "O problema não está resolvido. Bem, eu acho que não será resolvido tão cedo. Não há como recuperar vidas perdidas."

Tifa concordou em silêncio.

"Mas talvez exista uma maneira de salvar as vidas que estão em perigo. Talvez até eu possa fazer isso."

"Você está falando de Denzel?"

"Sim."

"Hei, você lembra do que disse quando trouxe Denzel aqui?"

"O que eu disse?"

"Você disse que Denzel veio até você."

"Bem...", Cloud disse, como uma criança com medo.

"Fale. Decidirei se estou com raiva depois que eu ouvir."

Cloud aceitou e continuou.

"Denzel estava caído na frente da igreja onde Aerith costumava ficar. Foi por isso que eu acreditei que Aerith o trouxe ‘até mim’."

Dizendo isso de uma vez só, Cloud em seguida desviou o olhar.

"Você foi à igreja."

"Eu não estava planejando me esconder lá."

"Você estava se escondendo."

"Me desculpe."

"Eu não disse que você não podia ir. Mas da próxima vez, eu vou com você."

"Eu entendo."

"E você está errado, Cloud."

Cloud olhou dubiosamente para Tifa.

"Aerith não trouxe Denzel até você."

"É, eu acredito nisso agora."

"Aerith trouxe esse garoto até nós, não é?"

Cloud olhou para Tifa e finalmente sorriu. Um sorriso que guardava uma enorme bondade, que a fez acreditar que tudo estava bem.

...

Alguns dias depois dessa conversa, Cloud partiu. Tifa imaginava se o sorriso que ela viu foi apenas uma ilusão. Após pôr as crianças para dormir, ela foi até o escritório de Cloud. Limpando a poeira da foto da família, ela tentou ligar para ele. Após várias chamadas, a linha caiu.

...

Caso de Tifa, fim.