quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Sobre Notebooks e Baterias

Eu tenho um pensamento bem simples: “A necessidade faz o homem!”

Veja, tudo no mundo é feito por necessidade. O homem criou a roda por necessidade de carregar coisas de forma fácil. Inventou a calculadora para facilitar e agilizar os cálculos que eram tediosos e muitas vezes errôneos. Enfim, tudo foi inventado para suprir uma necessidade …

Eu tenho um costume - errado e que não incentivo a ninguém - de estudar por necessidade. Quase tudo que eu aprendo é por necessidade. Tem algumas exceções mais são tão raras que é difícil de enumerar.

Ocorreu que nesta semana um episódio me forçou a estudar. A bateria de meu notebook (diga-se de passagem, um HP DV6120BR que é uma Bomba) resolveu morrer e não mais carregar, sem mais nem menos, após me servir por mais de uma hora a fio, ela parou e não voltou mais.

Devido a essa necessidade, procurei estudar como funcionam as baterias de notebooks. Acabei “descobrindo” que essas baterias não são meramente células de energia e sim algo mais complexo.



As baterias atuais (leia-se de praticamente todos os notebooks) de Li-Ion (células de energia de Líthio Ion) possuem um sistema “inteligente” de carga que faz o balanceamento e distribuição da carga entre as células.

A bateria é formada por células de carga (pequenas unidades parecidade com baterias) que armazenam a energia (dai as baterias de 4 células, 6 células) e são elas as responsáveis pela autonomia.

Além disso um dispositivo eletrônico (com processador e software) é responsável pelo balanceamento e distribuição da energia pelas células, esse mecanismo traz enormes vantagens em relação a baterias convencionais. Um deles é a não necessidade de fazer ciclos completos de cargas e o não aparecimento do efeito memória.

Outra vantagem é a autonomia que é informada de forma correta para o notebook e este consegue alocar recursos de forma mais eficiente.

Algumas dicas referentes as baterias inteligentes:

* Não é necessário utilizar ciclos completos de carga e descarga. Na verdade elas funcionam bem melhor se você não deixá-las descarregar por completo;

* Não há necessidade de retirá-las do notebook quando você for utilizá-lo somente na energia. Queira você ou não, ela irá durar em torno de 1 ano com seu pleno poder de carga, depois disso ela irá degradar-se;

* Essas baterias não podem ser guardadas sem carga. E isso vale para qualquer tipo de bateria. Sempre com carga!

* De tempos em tempos e em especial quando você utiliza por ciclos curtos de carga, é necessário fazer uma calibragem (Eh, igual ao pneu! :). O processo de calibragem é bem simples: com o notebook desligado, dê uma carga completa, ligue o notebook e entre no setup da BIOS (geralmente a tecla F2), desligue-o da energia e deixe-o parado até que a bateria o desligue sozinho. Volte a conectar o carregador e aguarde a carga terminar. Pronto, pode usar novamente que a bateria estará calibrada. É recomendável calibrar uma vez a cada três meses (quando o uso de bateria não é intenso) e a cada um mês (para uso intenso).

Mas afinal, para que calibrar a bateria???

Simples, o circuito interno da bateria, quando exposto a usos extremos (pequenos intervalos intercalados de uso de bateria e carregador) não consegue ponderar corretamente a autonomia da bateria. Para que ele consiga se reestabelecer, basta fazer a calibragem.

Bom, a minha bateria resolveu sair do coma e voltar a vida. Fiz a calibragem e agora estou trabalhando em plena carga! Espero que, com essas dicas, você não passe pelo mesmo apuro que eu tive …

Até o próximo post …

P.S.: Atualizando: Esse post já está há alguns dias parado, e lembrei dele porque uma professora e amiga minha estava com o mesmo problema de a bateria do notebook dela ter parado de funcionar. Com um pouco de perseverança, consegui fazer voltar a funcionar e sugeri a ela fazer o ciclo de carga para calibrar a mesma. Só daí lembrei do post. Espero que seja útil a vcs tb !!