segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Meme: Falhas Críticas (do mestre) em Campanha

Conforme eu prometi para um amigo (hehe, tá mais para um pedido), estou respondendo o meme Falhas Críticas (do mestre) em Campanha, porque somos todos seres humanos e merecemos errar de vez em quando (mas, se possível, que saia certo da primeira vez, sempre). No meu caso, vou narrar duas falhas que eu até hoje não esqueço.

Assim tão fácil?

Bom, acreditem se quizer, em uma das minhas primeiras campanhas - e ainda por cima em D&D, eu estava empolgado ... Havia folheado o livro dos monstros e ficado maravilhado com cada descrição das bestas que havia lá no livro. Como já dá pra imaginar, só deu jabá essa campanha.

Laucian cria um elfo ranger, se não me engano. Quatty e Panda criaram seus personagens de sempre e foram desbravar uma dungeon. Eh, assim, sem narrativa, sem descrições de cenário, nada. Simplesmente eles fizeram como Trinity em Matrix, surgiram lá ... Os três estavam com personagens nível um e logo vêm o primeiro encontro deles.


Eu coloquei um cubo gelatinoso (!!!) para os enfrentar. Daí, você pensa. "No escuro, vocês vêem uma forma gelatinosa com um esqueleto dentro vindo na direção de vocês." Laucian, então, saca seu sabre e ataca o cubo, tirando um acerto decisivo (!!!) em cima do cubo. O cubo se desfez na frente deles e o esqueleto começou a enfrentá-los. Nessa hora, Panda saca seu martelo grande de arremesso (!!!) e acerta o esqueleto, desfazendo o mesmo.

Outras coisas aconteceram na campanha, depois que vi o desastre que foi colocar um cubo sem saber usá-lo. Mas, serviu de lição para aprender a ler as estatísticas ...


Final da sessão, fomos olhar o somatório de xp para os personagens. Só o cubo daria xp suficiente pra subir uns 5 níveis para cada personagem.

A mão que bate ... É a que invoca Curar Ferimentos Moderados

Minha segunda experiência com D&D (e com fantasia medieval, consequentemente) foi menos desastrosa, mas não menos traumática. Havia feito uma campanha que até o momento estava indo legal, sem problemas.

Mais ou menos na terceira sessão eu resolvi colocar um personagem "enigmático", mas não podia ter sido mais infeliz em minha contenda. Coloquei uma clégira de Pelor que não queria deixar os aventureiros entrarem em uma determinada sala. Ela era nervosa, quase sempre, e na hora que eles quizeram entrar, ela atacou o grupo (!!!) depois curou eles.

Nunca fui tão infeliz quanto nessa campanha, tanto que depois eu desisti de mestrar campanhas de fantasia medieval clássicas e voltei para meus mundos, e principalmente, para minhas campanhas no mundo atual e futuro, onde eu me dava melhor mestrando longas campanhas de investigação e de segredos governamentais.

Meme: Acertos Críticos (dos Jogadores) em Campanha

Bem, é isso. Eu passaria o meme para frente mas vejo que todo mundo já respondeu ele. Então, faço um novo meme. Como as falhas críticas, os acertos críticos também são legais. Então, me diz aí, Quais foram as maiores façanhas que já fizeram, que um sistema já permitiu vocês fazer.

Não no sentido de personagens overpowers ou algo assim. Mas no sentido de você nunca esperar do seu personagem fraco, uma coisa como aquela.

Eu já vou me adiantando. Eu criei uma vez, para uma das campanhas do Laucian (ele é excelente mestre em D&D), um Halfling Ladino, que só carregava quinquilharias. Para deixar esse personagem mais descontraído, ele não usava armas convencionais. Ele usava pedras como arma. Com o dinheiro inicial para a construção do personagem, ele comprou uma sacolinha com pedras de ricochete (não me recordo quantas, mas acredito que 6, pois duraram muitas sessões). No mais, eram fósforos, pedras-trovão, ácido, fogo grego, bolsa de cola, "tudo o que um aventureiro como eu precisa para enfrentar um feroz dragão!", segundo as palavras do próprio.

Bem, vamos à primeira aventura, dentro de uma antiga mina de anões. Lá nos deparamos com uma grande quantidade de Mantas caindo do teto. Esperto como sempre, Quatty lançou um relâmpago que saltou entre todas as Mantas e derrubou a maioria, mas isso não vem ao caso. Foi só uma introdução para o que viria a seguir.

Entramos em uma sala e nos deparamos com duas aranhas gigantes. Tiramos a iniciativa para ver quem atacaria primeiro e eu sai, antes das aranhas. Peguei uma das pedras de ricochete e arremessei na primeira. Sucesso Decisivo. Como o pv das aranhas não é muito alto, o primeiro ataque matou a mesma, até que, na hora de passar a ação para o próximo (Panda), eu notei que as aranhas estavam a menos de 3m uma da outra, e falei pro narrador que a pedra era de ricochete. O segundo ataque tirou o dano máximo da pedra, e matou a segunda aranha.

Daí, todo mundo ficou lá, me olhando com cara de bobo. Até aí tudo bem. Sessões mais tarde, e níveis também, estávamos em uma floresta fechada. Laucian novamente colocou vários desafios de nível mais baixo, mas que no total ficavam acima de nosso nível de grupo. O clérigo havia encantado minhas pedras, para aumentarem o dano e o raio de alcançe das pedras. Nesse ataque, o hobbit derrubou duas águias gigantes e num segundo ataque, um grupo de licantropos (2 tigres, 1 urso e vários ratos) sucumbiu à uma única pedra, que ricocheteou em todos.

A partir daí, por decisão do grupo de aventureiros (e de jogadores), meu hobbit abandonou a vida de pedras e passou a usar adagas de arremesso pois, tirando estes dois momentos, em todos os outros, as pedras normalmente acertavam os personagens, que ficavam enfurecidos com o pequeno.

Pelo menos, entre a sociedade hobbit, ele ficou bastante famoso.

Taí. Eu faço esse meme para meu amigo do Dados Limpos, e para quem mais quizer fazer, pois tirando ele (você), não me recordo de outros amigos blogueiros que falam de Rpg hehehe. Se eu me lembrar, eu atualizo o post.

Abração !!