quarta-feira, 2 de julho de 2008

Novidades do Firefox 3

Bom pessoal, o Firefox 3 saiu com um grande estardalhaço, finalmente os plugins e extensões estão sendo portadas para ele e as coisas começam a fluir com naturalidade. Nesse intervalo de uso mais frequente da nova release do Firefox, tive mais tempo pra levantar o que há de diferente. Vamos à lista:

Nova barra de endereços - Sem qualquer traço de modéstia, a Mozilla apelidou a principal novidade do Firefox 3 como “barra sensacional” (em tradução livre para “awesome bar”) - expressão usada com maior freqüência que a oficial “smart location bar”.

Ainda que carregue muito do entusiasmo habitual de evangelização da Mozilla, fica difícil não concordar em parte com o uso do adjetivo - a função, é sem dúvida, a mais útil trazida por um navegador desde o início do uso das abas.


Ao invés de exigir que o usuário lembre da URL da página que visitou, a “Awesome Bar” vasculha o endereço, o título e o conteúdo das páginas atrás de palavras-chave digitadas pelo usuário.

Imagine que você esquece o endereço do site de culinária que trazia a receita do molho de ervas que você pretendia preparar.

Ao invés de vasculhar seu histórico atrás do endereço, o Firefox 3 permite o uso de termos que remetam à página – basta digitar “molho ervas receita”, por exemplo, para que o endereço seja recuperado.

Favoritos - A melhoria no sistema de Favoritos tem relação direta com a “Awesome Bar”, a começar pelo aspecto visual - uma grande estrela no canto direito da barra de endereços deve ser clicada para que o navegador guarde o endereço.

Ao clicar sobre a estrela duas vezes, o usuário pode editar o nome do endereço, em que pasta dentro do navegador ele será guardado (como padrão, todas vão para um mesmo diretório) e quais tags serão atreladas ao site - principal novidade da ferramenta.

Além de relacionar termos que tenham a ver com a página que você procura na nova barra de endereços, é possível também digitar uma tag usada para registrar, por exemplo, sites de classificados.

Ao invés de abrir uma subpasta dentro da interface do navegador, o Firefox 3 permite que o usuário veja seus Favoritos a partir da lista de endereços já visitados por meio do uso das tags.

Antimalware e Larry – No quesito segurança, o Firefox 2 era inovador ao trazer um filtro de phishing que, automaticamente, mostrava um alerta para usuários que tentassem entrar em sites citados em bancos de dados de segurança como repositórios de armadilhas digitais.

O Firefox 3 extrapola o filtro original e agora integra uma proteção contra sites que tentam instalar programas maliciosos no PC da vítima por meio de falhas de segurança no navegador sem que ele saiba.

Ao tentar acessar um site deste tipo, um alerta vermelho relata que determinada página é usada para ataques e oferece um link que leva o usuário à explicação técnica sobre o motivo do bloqueio dentro do Google Safe Browsing, alertando sobre as pragas armazenadas no site.

O Firefox 3 também traz um complemento de segurança contra golpes online por meio do Botão de Identidade de Site, ícone ao lado da barra de endereços que indica quem controla o site que você quer visitar.

Clicado, o botão mostra todas as informações disponíveis sobre a identidade do responsável pela página para o usuário.

Ainda que a maior parte das páginas não traga mais que a indicação se a conexão é encriptada ou não, a função garante que serviços que exigem autenticação (como e-mails ou editores de textos online, por exemplo) tenham suas autenticidades atestadas.

Novos downloads - A sessão de downloads do Firefox 2 não se distanciava do marasmo que os atuais navegadores reservam à interface para os arquivos baixados.

O Firefox 3, no entanto, introduz três novidades bastante interessantes na sua, até então desinteressante, janela de Downloads.

A primeira é a capacidade de pausar e retomar downloads – os convencionais botões de Play, Pause e Fechar agora aparecem ao lado da barra que mede o progresso do download. Um toque no botão, e o download do arquivo pára. Um segundo toque, e ele é retomado.

Na segunda, um campo de busca foi acrescentado à janela de downloads. Ao invés de navegar pelas dezenas de arquivos baixados, simplesmente digite o nome do download – simples e efetivo como a busca de conteúdo do próprio Firefox.

Por fim, os downloads terminados que continuam listados pelo Firefox podem levar o usuário de volta à página onde o download foi iniciado – clique com o botão direito sobre o nome do arquivo e escolha a opção “Go to Download Page”.

Navegador de Add-ons – A ótima interação do Firefox com seus add-ons foi melhorada na terceira versão do navegador com o acréscimo de um navegador dentro do browser onde os melhores add-ons são sugeridos.

Ao clicar sobre “Add-ons” dentro do menu Tools, uma janela com sugestão de complementos ao navegador é reproduzida para o usuário, que pode realizar buscas pela base de milhares de add-ons do navegador sem sair do software.

A instalação de complementos que podem interessar é feita por apenas um clique dentro do navegador.

Agora, a melhor coisa que veio fazer diferença nessa nova versão do Firefox é o gerenciamento de memória. Segundo o IDG Now, o Firefox 3 gerencia memória mais eficientemente que todos os outros browsers (Firefox 2, Internet Explorer, Flock, Opera e Safari).
O Firefox 3 foi claramente o vencedor, não somente porque ele usou menor quantia de memória que qualquer browser testado, mas porque o uso de memória não cresce de maneira notável ao longo do tempo. “Este browser demonstra um uso de memória que é bem menor que os outros”, disse Allen sobre o Firefox 3.

O navegador com pior desempenho foi o Safari 3.1 para Windows - Allen testou somente as versões para Windows de cada browser. “O Safari no Windows mostra gerenciamento de memória extremamente pobre”, disse.

Outros navegadores, como o IE 8 Beta 1, Flock 2 e Opera 9.5 tiveram desempenho médio quanto ao modo de gerenciar a memória, Allen argumentou. Embora seu uso de memória comece a se arrastar ao longo do tempo, o aumento foi muito mais gradual que no Safari.

Navegadores são regularmente citados como “memory leaks”, termo usado para descrever o crescente aumento no uso da memória enquanto um aplicativo é utilizado. Em alguns casos, a carga da memória se torna grande o suficiente para comprometer o desempenho global de alguns computadores.

Antigas versões do Firefox, incluindo Firefox 2, por exemplo, foram criticadas por excessivos vazamentos de memória.

Bom, é isso aí. Até mais !!