segunda-feira, 30 de junho de 2008

Promoção BR-Linux

Ajude a sustentar a Wikipédia e outros projetos, sem colocar a mão no bolso, e concorra a um Eee PC!
…e também a pen drives, card drives, camisetas geeks, livros e mais! O BR-Linux e o Efetividade lançaram uma campanha para ajudar a Wikimedia Foundation e outros mantenedores de projetos que usamos no dia-a-dia on-line. Se você puder doar diretamente, ou contribuir de outra forma, são sempre melhores opções. Mas se não puder, veja as regras da promoção e participe - quanto mais divulgação, maior será a doação do BR-Linux e do Efetividade, e você ainda concorre a diversos brindes!

Odisséia de um bêbado

Pra quem passou o final de semana na manguaça.

A Odisséia de um Bêbado ...

O bêbado, no ponto do ônibus, olha pra uma mulher e diz:
- Você é feia hein?
A mulher não diz nada. E o bêbado insiste:
- Nossa, mas você é feia demais!
A mulher finge que não ouve. E o bêbado torna a dizer:
- Puta merda! Você é muito feia!
A mulher não se agüenta e diz:
- E você é um bêbado!
- É, mas amanhã eu melhoro...


Então ele subiu no ônibus.

Logo na roleta, cambaleando, ao cobrador diz:
- Se meu pai fosse um gato e minha mãe uma gata, eu seria um gatinho! E continua:
- Se meu pai fosse um cachorro e minha mãe uma cachorra, ai eu era um cachorrinho! E mais:
- Se meu pai fosse um touro e minha mãe uma vaquinha, ai eu seria um bezerrinho!
O cobrador, nervoso, pergunta:
- E se o seu pai fosse um viado e sua mãe uma puta?
- Ai eu era cobrador de ônibus!

Saindo da roleta,
o bêbado grita:
- Hoje eu quero comer um cu!
Todos os passageiros olham assustados para ele que, ao ver a reação, diz:
- Calma gente, eu só quero um!

Já na parte de trás do ônibus, grita de novo:
- Do lado direito todo mundo e corno! Do lado esquerdo todo mundo é viado!
Ao ouvir isto, levanta um negão do lado esquerdo e fala:
- Eu não sou viado !!!
E o bêbado responde:
- Então muda de lado que não gosto de confusão !!!

A partir desse momento os passageiros começaram a xingar o bêbado e ameaçando cobri-lo de porrada.
O motorista, para evitar confusão, freia bruscamente e todos caem.
Um dos passageiros se levanta, pega o bêbado pelo colarinho e pergunta:
- Fala de novo, safado. Quem é corno e quem é veado?
- Agora eu não sei mais. Misturou tudo!

Ele então desce do ônibus, entra em uma igreja, o padre, viu aquele bêbado entrando e resolveu dar o sermão:
- Irmãos, quem não for a favor da bebida que se sente agora!
Todos se sentaram e o bêbado gritou:
- Pô, seu padre, Só nós dois hein!?

Expulso da igreja, entra logo num boteco e já pede:
- Coloca aí dez pinga pra mim!
O dono obedeceu e colocou dez pingas para o bêbado, que bebeu todas.
- Coloca agora cinco pinga!
O dono colocou, o cara bebeu todas e disse:
- Agora coloca só três, viu?
Bebeu as três num gole só, fez aquela careta típica de pingaiada e pediu:
- ZZZZZZ só uma agora! ZZZZZZ só mais uma!
O bêbado bebeu aquela, deu uma cambaleada e concluiu:
- Eu num to enZenZendo... Quanto menossss eu bebo, mais eu fico tonto!

Antes de ir embora ele pede um maço de cigarros, que traz escrito na lateral:
'O MINISTERIO DA SAUDE ADVERTE: Cigarro pode causar impotência sexual'.
Assustado, gritou pro garçom:
- NÃO. Esse aqui não!!! Me dá aquele que causa câncer.

Ao sair do boteco, todo embriagado, o bêbado andando na rua, toca o interfone de uma casa e pergunta:
- Seu marido taí?
Uma mulher responde:
- Está, quem quer falar com ele?
- Xá pra lá, brigado.
Chega em outra casa e toca o interfone novamente:
- Seu marido taí?
Outra mulher responde:
- Está no banho, quem quer falar...
- Brigaaaaaado, pooooode deixar.
Na outra casa...
- Bom dia, seu marido taí?
- Está... vou chamá-lo...
- Não, não é preciiiiiiso, responde o bêbado.
- Na outra casa:
- Oi, seu marido taí?
A mulher responde:
- Não, mas já deve estar chegando.
O bêbado responde:
- Então, faz favor, olha aqui pra fora e vê se sou eu!!!!!

Tempos depois consegue lembrar onde é sua casa com muito custo.
Abre a porta e vai correndo para o banheiro.
Assustado, corre para o quarto e acorda a mulher:
- Ô muié... Essa casa tá mal assombrada! Eu abri a porta do banheiro e a luz acendeu sozinha.
Depois, fechei a porta e a luz apagou sozinha....
A mulher, puta da vida, grita:
- Filho da puta!!! Você mijou na geladeira de novo!!!!

Enxotado de casa pela mulher, que não tava a fim de dormir cheirando bafo de pinga, vai a um beco, acaba dormindo no chão e tem o relógio roubado.
No dia seguinte, já curado da manguaça, ao andar pela rua, vê um cara usando o seu relógio, e se aproxima dele dizendo:
- Hei, cara, esse relógio é meu!
- Que seu que nada. Esse relógio eu peguei de um bêbado que eu comi ontem lá no beco.
- Tem razão, não é meu mesmo. Mas que parece, parece!!!!

domingo, 29 de junho de 2008

Organização das Tags do Toca do Elfo

Bom pessoal, hoje estava admirando um pouco o visual do blog e reparei que frequentemente eu tenho que ficar filtrando as tags para retirar elementos únicos ou mesmo ter que reclassificar todo o histórico de posts para uma lista menor.

Isso é uma tarefa que já está começando a se tornar repetitiva (9 organizações de tags em 1 ano é muito, né?). Para isto, queria a opinião e a sugestão de vocês para algumas tags do blog. Peço isto porque algumas pessoas acham que as tags são muito específicas, outras acham que são genéricas demais, então pensei: "por que então não perguntar para quem realmente vai sentir a diferença?".

Foi aí que tive a idéia fantástica de perguntar para você, que lê (e assina) este blog.


Se você quer ter mais ou menos uma idéia da quantidade de tags e suas respectivas categorias, estou colando abaixo a lista. Algumas estão tão cheias que penso em dividí-las em duas (como fiz com Rpg e Crônicas) e várias outras precisam ser reclassificadas. Diversos é uma que exige ser alterada para não mais existir. Dependendo, até chamo ela de lixão e jogo lá as coisas que não se encaixarem nas outras tags. Mas vamos à lista de tags. Total: 32:
"Besteiras" = 3;
"Blogosfera" = 23;
"Cinema" = 1;
"Comida" = 2;
"Concursos" = 4;
"Configuração" = 12;
"Conspiração" = 15;
"Crônicas" = 23;
"Desciclopédia" = 4;
"Design" = 10;
"Diversos" = 43;
"Dracólia" = 4;
"Druidas" = 5;
"Entalis" = 1;
"Firefox" = 7;
"Gadgets" = 2;
"Google" = 10;
"Historinhas" = 13;
"Histórias do Elfo" = 9;
"Jataí" = 5;
"Jogos" = 9;
"Meus Vícios" = 17;
"Mística" = 19;
"Orkut" = 1;
"Palmas" = 7;
"Piadinhas" = 4;
"Programação" = 28;
"Redes" = 12;
"Rpg" = 15;
"Senhor dos Anéis" = 9;
"Sistemas Operacionais" = 21;
"Vindemiatrix" = 8;

Então é isso. Vamos trabalhar! Eu vou organizar daqui algumas sugestões e peço a ajuda de vocês para fazermos uma lista mais organizada hehehe

Até um próximo post ou comentário!

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Crônica - Vampiro e Lobisomem - Cap 10 - Segunda Temporada

Bom pessoal, amanhã o Coral Sinfônico do Tocantins vai participar de um evento de corais em Anápolis, e lá estarei eu, tentando cantar alguma coisa. Tudo bem que elfos têm uma voz melodiosa de invejar qualquer humano mas, eu não sei ... Só a apresentação (e os aplausos) dirão se realmente este elfo faz jus à sua espécie. Agora, sem mais delongas, vamos à crônica.

Crônica Vampiro e Lobisomem Completa

Em algum lugar do passado ...

Após se saciar, Ferguson levantou-se, com sua nova amiga, e saiu mata à dentro. A jovem não parava de encará-lo e o jovem estava cada vez mais envergonhado, evitando falar. Após já andarem à algum tempo ele finalmente encorajou-se e disse:

- Qual é o seu nome? Acho que me esqueci.

- Aleluia! Você me deu a honra de sua palavra! Sou Ema. Pensei que meu noivo estava com medo de que fosse mordê-lo.

- Desculpe-me. Não fiz por mal. Entenda minha posição, tenho que apressar-me, a vida de Ísis está em perigo!

- Sem dúvidas perdôo meu futuro marido. - disse Ema aproximando-se. Ferguson resistiu à tentação e esquivou-se.


Caminharam por mais longos e silenciosos minutos, Ferguson já estava impaciente e abriu sua boca pela segunda vez:

- Já estamos chegando?... Digo, já estamos andando à horas e apesar de não saber ao certo o que procuro, não vejo nada de anormal por aqui, tampouco sinais de lobisomens.

- Como você é inocente, Ferguson! Achou mesmo que eu estava te levando para o local dos lobisomens!?

- Como assim!? Está levando-me para onde, então? - disse Ferguson, surpreso.

- Para lugar nenhum! Só queria ficar à sós com você! - disse Ema, dando-lhe um beijo de tirar o fôlego, pegando-o desprevenido. Ferguson não teve como resistir e caiu em tentação.

- Você é impossível, sabia? E linda também! Sabia que está correndo risco de vida? - disse Ferguson quando recompôs-se.

- Não me importo! Quero você! Te amo!

- Como isso pode ser possível!? Você me conhece somente a algumas horas!

- Apaixonei-me quando vi você desmaiado, tão belo e indefeso. Senti uma atração muito forte e depois descobri quem era você! Além do mais aquela sua demonstração de vigor é de impressionar qualquer garota! - disse com um leve sorriso, voltando a beijá-lo.

A jovem era realmente sedutora e em poucos minutos Ferguson havia perdido o contato com a realidade e entregue-se por completo a situação. Passou a aproveitar o momento, era sua primeira vez, nunca havia ficado a sós com uma mulher. Sua vida se resumia a cuidar da taverna, e nunca teve chance de provar os prazeres carnais do mundo. O clima já estava fervendo (ambos já estavam despidos), quando de repente ouviu-se sons vindos da mata.

- O que foi isso? - disse Ferguson levantando-se.

- Não é nada, garoto da cidade! Deve ser um bicho qualquer. Deixe-o lá e volte para cá! - disse Ema, não querendo perder tempo algum.

Ferguson não pensou duas vezes e voltou a seu antigo posto. Infelizmente, Ema estava errada. Não era realmente um animal quem estava na mata, eram dois lobisomens, e eles não ficaram quietos, como eles esperavam, e atacaram subitamente. Ao ver tais seres Ema desesperou-se, inconscientemente, saiu dos braços de Ferguson e correu mata à dentro.

- Pegue-a! - disse um deles. Ferguson vendo que sua amante seria presa fácil foi em sua salvação e pulou nas costas do que foi pegá-la. Não sabia como transformar-se na forma de lobisomem, mas sua fúria foi tamanha que ele estava em uma forma entre humano e lobisomem, seus caninos estavam maiores e sua força e capacidades físicas também aumentadas.

Não possuía experiência em combate, mas um instinto animal tomou conta de seu corpo e ele saltou sobre o que perseguia Ema, mordendo seu pescoço. Não podia ter atacado um local melhor, como um experiente felino derrubou o oponente e o imobilizou. Com uma força descomunal, rasgou a garganta da criatura, sem que ela tivesse chances. Ferguson assustou-se com sua ferocidade e eficiência, mas não tinha tempo para celebrá-la, ainda restava um outro lobisomem. Ema, estava salva e não hesitou em continuar correndo, sem ao menos olhar para trás. O outro lobisomem, estava espantado com o jovem, mas ainda assim não o respeitava. Aproximou-se de Ferguson, sacou uma adaga e disse:

- Vejo que já sabe o que é! Entregue-se. Não quero matar aquele que foi escolhido!

- Por que diabos nos atacou! Sou um lobisomem como você!

- Você não é como eu, ainda. Entregue-se e venha para o lado dos Dançarinos da Espiral Negra!

- Nunca! Nunca terá meu apoio, seja lá quem você for! Vocês tentaram matar minha mulher!

- A escolha é sua! A propósito, será ótimo fazer com ela o mesmo que você fazia! - disse o lobisomem ironicamente.

Ferguson atacou ferozmente, seu experiente rival esquivou-se e contra golpeou com a adaga, mas não queria matá-lo e infligiu apenas um leve e doloroso corte.

- Como percebe é inútil lutar! Entregue-se e viverá!

- Nunca seu desgraçado!

Ferguson utilizou-se de um velho truque, encheu suas mãos de terra e jogou nos olhos de seu oponente. Este abriu a guarda enquanto os limpava e Ferguson arrancou-lhe a jugular, com enorme ferocidade. Seu rival não morreu rapidamente agonizou ainda alguns segundos engasgando-se com seu próprio sangue. Ferguson pegou a adaga do defunto e saiu perseguindo Ema. Apesar de ela já estar bem distante, ele a alcançou, graças a sua grande agilidade recém adquirida.

- Tudo bem querida, sou eu! Não vou lhe fazer mal! - Ema acalmou-se e ficou a observar a nova aparência, quase animal, de seu amante.

- O que houve? Sua barba cresceu de repente....O que estou fazendo aqui!? Não estou entendendo nada!

- Você não se lembra?! Fomos atacados! Eram lobisomens. Dançarinos de não sei o que! Não se lembra!

- Que estranho! A última coisa que me lembro foi o barulho na mata e depois apenas branco! - disse falando, como que para si mesma.

- Como isso é possível!? ...Venha, vou mostrar-lhe os corpos. - Ferguson levou-a até o local e para sua surpresa os corpos de seus oponentes estavam na forma humana. Pareciam com dois mendigos, não tinham roupas, apenas trapos e fisicamente eram defeituosos o que levantou uma suspeita em Ferguson.

- Lobisomens transformam-se em humanos quando mortos! Por isso ninguém jamais encontrou o corpo de um deles!

- Ferguson diga-me a verdade. O que fez comigo? Seu beijo é mágico? .... Você usou seus poderes e aproveitando que eu estava enfeitiçada alimentou-se desses pobres homens!

- Não fale besteira, Ema! Estou ferido, veja! E não posso curar! Esta adaga estava com um destes lobisomens. Ela deve ser encantada. Você ficou totalmente maluca quando eles apareceram, talvez tenha perdido a memória.

- O que houve com você? Está parecendo um animal!

- Não sei como isso aconteceu! Foi instintivo, você foi atacada por um deles e eu me enfureci. Quando dei-me conta, transformei-me nisso. Não sei como voltar ao normal.

Não tendo mais o "clima" e nem a coragem de continuarem sua linda cena de amor, ambos seguiram sua caminhada. Com o tempo Ferguson voltou a sua forma normal. Passaram horas caminhando, quase sempre em círculos. Já era noite, mas Ferguson não desanimava e continuava decidido. Ema temendo passar a noite na mata e serem novamente atacados, disse:

- Ferguson temos que voltar. Com sorte encontraremos a estrada.

- Temos que encontrar ajuda, ou então o Caern. Estamos perdidos, nunca encontraremos a estrada.

- E se aparecer outros como aqueles?

Antes que Ferguson pudesse responder, de repente uma voz vindo do nada disse:

- Eles não aparecerão mais, minha jovem. Vocês já estão muito próximos do Caern. A quanto tempo estão perdidos?

Era um homem de aparência respeitável, vestia roupas elegantes e seu físico não aparentava ser nada impressionante.

- Quem é você?! Não se aproxime! - Disse Ferguson sacando sua adaga.

- Acalme-se! Estou do seu lado. Sou um Presa de Prata uma das mais respeitáveis tribos dos Garou.

- Claro! E eu sou Romeu e ela Julieta. Não se aproxime seu dançarino dos diabos!

- Não sou um Dançarino da Espiral Negra! Como pode ver não tenho quaisquer defeitos físicos! - disse o homem calmamente. - Escute sei que deve estar confuso, também estou! Você é um recém formado, mas estranhamente, em você o processo ocorreu tardiamente. Você deve ser muito especial para ser alvo de dançarinos. Ao menos uma boa notícia em um dia tão triste. Como se chama?

- Não devo satisfação à você! Você é um deles! Não vai convencer-me!

- Meu jovem, não sou seu inimigo! Confie em mim! Se fosse seu inimigo já o teria atacado! Dançarinos não toleram perder dois homens para um novato como você! Quando descobriu que era um dos nossos?

- Hoje mesmo, meu senhor. Em um sonho maluco com um cervo. - respondeu Ema.

- Cale-se Ema! Não sabe o que está fazendo!

- Não vê que ele é de confiança! Não nos atacou e nem deixou-me maluca!

- Você está controlada, porque eu assim o quis, minha jovem. Isso só ocorre quando transformo-me em lobisomem. Agora diga-me mais, você dizia que descobriu em um sonho com um cervo?

- Bem foi isso o que ele me disse.

- Interessante. E o que ele fez em seu sonho? Diga-me rapaz.

Ferguson ainda meio desconfiado respondeu:

- Curou minhas feridas, lambendo-as.

- Não acredito! Meu jovem, você é protegido por um totem! Sua presença deve ser anunciada! Como se chama?

- Sou Ferguson... Escute, o cervo disse que vidas dependiam de mim e mandou-me ir para o Caern.

- Eu sabia! Você deve ser o protegido de Ísis! Siga-me ela ainda pode estar viva!

- Como assim ainda!? Como sabe dela?! O que houve com ela!?

- Ela está sendo acusada de traição, pelo assassinato de três lobisomens. Eu sabia que ela é inocente! Ande transforme-se em lobo!

- Não sei como.

- Tudo bem não tenho tempo de lhe ensinar isso agora! Suba em minhas costas que o levarei o mais rápido possível!

- E Ema, não vou deixá-la aqui no meio da mata.

- Não podemos levá-la, ela enlouquecerá quando lá chegar!

- Vá Ferguson, Ísis precisa de sua ajuda. Eu esperarei você aqui!

- Isso mesmo, fique aqui que mandarei alguém buscá-la. - disse o homem.

Ferguson, vendo que esta seria a única decisão que daria uma chance a Ísis concordou. Despediu-se de Ema, beijando-a, e subiu nas costas do lupino, que já se encontrava em forma de lobo. Sem hesitar, ele saiu em disparada mata a dentro.

quarta-feira, 25 de junho de 2008

O Amor

PessoALL, hoje seremos light ... Um poema de Fernando Pessoa, com mínimas alterações, para descontrair o dia.

O Amor

O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de *dizer.
Fala: parece que mente
Cala: parece esquecer

Ah, mas se ele adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pr'a saber que o estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar.

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Google Code Jam - Eu vou participar!

Olá caro leitor. Hoje estou empolgado com a oportunidade de participar esse ano do Google Code Jam. Nas ocasiões anteriores, eu não participei porque não me sentia "apto" o suficiente pra entrar na competição, mas esse ano vai ser diferente. Apesar de ser ainda meio novato na linguagem Python, eu vou participar programando nela. Eu tenho esperança (veja bem, esperança) de ficar pelo menos entre os 1000 primeiros (se eu ficasse entre os 100 primeiros, a groja ajudaria bastante). E você, não vai participar? Como assim, não sabe o que é a competição? Então dá uma olhada aí!

Ao contrário do Google Summer of Code, que envolve a colaboração de programadores para implementação de novidades em projetos OpenSource, o Google Code Jam é um desafio aos programadores interessados em solucionar quatro problemas de algoritmos no menor tempo possível.


As inscrições vão até 17 de julho. As finais regionais acontecerão em Belo Horizonte (MG), em outubro, e a grande final será na sede do Google, na cidade americana de Mountain View, no dia 14 de novembro

“O Google Code Jam é uma oportunidade incrível para os mais talentosos cientistas da computação de todo o mundo se reunirem e competirem em nível internacional. Além disso, estamos felizes em poder apresentar a eles nossos escritórios e centros de pesquisa mundiais”, afirma Vic Gundotra, vice-presidente de engenharia do Google.

As inscrições são feitas pelo site http://code.google.com/codejam. Os 500 melhores classificados ganharão uma viagem com tudo pago para as semifinais em Belo Horizonte (MG). Ali, serão escolhidos 100 desenvolvedores, que ganham uma viagem para a final do desafio, na sede do Google em Mountain View, nos Estados Unidos.

As inscrições começaram dia 17 de junho e ficarão abertas por um mês, terminando em 17 de julho. Além das viagens, os finalistas também ganharão um prêmio em dinheiro que totaliza mais de US$ 80 mil, divididos em:

* 1º lugar: US$ 10 mil
* 2º lugar: US$ 5 mil
* 3º lugar: US$ 2,5 mil
* 4º - 10º lugares: US$ 1,5 mil cada
* 11º - 30º lugares: US$ 1 mil cada
* 31º - 50º lugares: US$ 750 cada
* 51º - 75º lugares: US$ 500 cada
* 76º - 100º lugares: US$ 250 cada

Em 2006, mais de 21 mil competidores de mais de 100 países participaram do Google Code Jam, e o russo Petr Mitrichev foi o grande vencedor.

Esperança brasileira

“Nos últimos anos, o desafio mundial foi vencido por participantes latino-americanos. Neste ano, também esperamos contar com competidores fortes na América Latina para disputar o grande prêmio internacional”, destaca Berthier Ribeiro-Neto, diretor de engenharia do Google para a América Latina.

Uma novidade do Google Code Jam 2008 é a inserção de ferramentas próprias que permitem que os participantes programem em qualquer linguagem. Essas ferramentas foram criadas por uma equipe de funcionários que dedica 20% do seu horário de trabalho a projetos inovadores de seu interesse, e que é formada também por vencedores de Code Jams passados.

Mais informações sobre o Google Code Jam, incluindo normas e regulamento, podem ser encontradas em http://code.google.com/codejam.

Fontes:
Undergoogle
IDG Now

domingo, 22 de junho de 2008

Filme - A Questão Humana

Assisti esse filme ontem e não pude deixar de comentar o tanto que ele é envolvente!! Um dos poucos filmes que eu não consigo criticar negativamente nenhum aspecto. Vamos ao review do site G1 Cinema:

Prêmio da Crítica na Mostra de São Paulo em 2007, o drama "A questão humana", de Nicolas Klotz, tem como protagonista um dos atores franceses mais requisitados da atualidade, Mathieu Amalric (de "Munique"). No filme, que estréia nesta sexta-feira (20) apenas em São Paulo, Amalric interpreta Simon Kessler, psicólogo de uma grande empresa petroquímica alemã, a SC Farb.


Seu trabalho é, basicamente, evitar que o estresse prejudique a produção, especialmente nos momentos em que há grandes cortes de pessoal. Fora isso, ele também supervisiona funcionários, cujo comportamento se desvie das expectativas da chefia.

Um dia, um diretor da empresa, Karl Rose (Jean-Pierre Kalfon), chama-o para uma missão especial -- quer que o psicólogo monitore ninguém menos do que o vice-presidente da companhia, Mathias Just (Michael Lonsdale, de "As sombras de Goya").

O motivo, segundo Rose, é que Just apresenta comportamento impróprio, assediando mulheres e demonstrando desequilíbrio para tomar as decisões importantes que lhe cabem.

Kessler não pode aproximar-se deste alto funcionário da mesma maneira que do resto dos outros. Vai, então, procurar o vice-presidente sob pretexto de montar uma orquestra dentro da empresa. No passado, Just tocou violoncelo e fazia parte de um quarteto clássico.

O investigado, porém, logo percebe que há alguma manobra em curso e que a iniciativa de vigiá-lo vem dos altos escalões da Farb.

Crise moral

Nesse ponto, entram na trama incidentes como a chegada de cartas anônimas e outros personagens, como um antigo colega de Just (Lou Castel). Tanto nas cartas, como nas declarações deste homem para o psicólogo, surgem informações bombásticas sobre o passado da empresa e de seus altos diretores, relacionados com o nazismo.

Inesperadamente, o próprio psicólogo vê-se diante de uma crise moral em relação ao seu trabalho. Quando diz a si mesmo que está apenas cumprindo ordens, ao contornar as crises causadas por demissões e novos processos, ele não está usando o mesmo argumento daqueles militares que permitiram as perseguições e massacres contra os judeus?

Baseado em livro de François Emmanuel, o roteiro de Elisabeth Perceval cria condições para que os métodos de seleção racial e social nazistas sejam comparados aos competitivos processos internos das grandes corporações modernas. É uma discussão séria, que o filme conduz com equilíbrio.

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Crônica - Vampiro e Lobisomem - Cap 09 - Segunda Temporada

Gente, será mesmo que Isis foi responsável pelo embuste aos lobisomens? Será realmente que uma mulher poderia mudar tanto, em tantos anos de vida não vida? E Fergurson, onde está? O que aconteceu com ele? Vejam agora, em mais um capítulo de Vampiro e Lobisomem.

Crônica Vampiro e Lobisomem Completa

Em algum lugar do passado ...

Walter voltava a seu refúgio apressadamente, pois o dia já se aproximava. De repente, ouviu sons de lutas vindos de dentro de sua casa, espreitou-se nas sombras e ficou a observar o que acontecia. Não pôde ver claramente, mas percebeu que a luta era violenta pois os gritos eram mortais, ouviu então alguém gritar alguma coisa que não pôde entender corretamente. Em seguida, um lobisomem saiu de sua casa, correndo para rua carregando o corpo de um semelhante ferido. Os ferimentos certamente eram graves, pois o salvador, desesperadamente pulou em uma possa d'água e desapareceu. Walter nunca havia visto nada como aquilo antes, sabia de boatos de que lobisomens podiam entrar em outro mundo, chamado "Mundo Astral" ou coisa parecida, sabia agora que os boatos eram verdadeiros.


Lentamente, o vampiro encorajou-se e entrou em sua casa, chocando-se com a cena que viu. O corpo de quatro lobisomens estavam estirados no chão mortos, logo percebeu que estes eram diferentes dos outros, ao menos fisicamente, e se indagou o que estavam fazendo ali, e porque aqueles lobisomens lutavam entre si (já que eram conhecidos por serem uma raça muito unida). Dentre as várias perguntas que fez, somente uma conseguiu responder: Ísis estava sendo auxiliada, novamente, por lobisomens e certamente esse jovem era muito importante para os lobisomens, pois até fez com que eles se matassem. Correu então para o subterrâneo de sua casa, pegou uma pistola e um mosquete. Ambos possuíam balas de prata, assim também era a baioneta do mosquete. Comprou esse equipamento de um armeiro, sabendo que um dia seria útil. Estas armas faziam lobisomens correrem como cãozinhos, pois são tão mortais à eles quanto são à um humano qualquer, matando-os apenas com um tiro certeiro ou com um golpe de baioneta.

Ele pegou o corpo de Ferguson e correu para a estalagem de Ísis esperançoso por encontrar mais algum lobisomem e fazer uso do dinheiro investido no equipamento. Deixou Ferguson no lado de fora da estalagem e foi ter com o funcionário que estava acordado.

- Posso ajudá-lo? - perguntou educadamente o estalajadeiro.

- Claro. - disse Walter retirando um papel de um de seus bolsos - Comprei esse mapa da cidade de um comerciante e não consigo entende-lo. Como pode ver o artista que o desenhou não sabe muito sobre geografia. Onde eu estou nele?

O estalajadeiro aproximou-se de Walter, e este, sem piedade, golpeou-o na nuca. O vampiro, pegou o desacordado Ferguson na rua, o colocou junto ao homem e sacou suas armas. Investigou a parede onde colocavam-se as chaves e viu que apenas duas estavam faltando eram as 2I e 1C. Entrou estalagem à dentro procurando pela quarto 1C ou 2I, logo percebeu que o número indicava o andar, e, imaginando que Ísis hospedaria seus amigos no segundo andar, subiu as escadas. Este era bem menor que o primeiro e tinha apenas um aposento, Walter aproximou-se da porta tentando ouvir algo, mas o silêncio era absoluto, abriu então silenciosamente a porta e viu um caixão em seu centro. Certamente era de Ísis, mas ele não queria perturbá-la, ainda, e rapidamente dirigiu-se para o quarto 1C. Desta vez, sabendo que o quarto era dos aliados de Ísis e provavelmente, lobisomens, entrou subitamente arrombando a porta com um chute. Andrew foi pego de surpresa, teve apenas tempo de transformar-se em lobisomem e Walter disparou um tiro certeiro na cabeça do desafortunado, que caiu morto. Jason e Martin acordaram assustados, sacando suas adagas, Walter em um movimento rápido sacou seu mosquete e disparou no peito de Jason que caiu. Martin saltou ferozmente sobre Walter, que com sua experiência de mais de um século de batalhas, esquivou-se, agachando-se e fazendo com que Martin passasse zunindo por sobre sua cabeça. Walter não perdoou a falha de seu adversário e encravou sua baioneta no peito de Martin, que no momento se virava, atordoado com o choque que havia dado na parede.

Walter ainda não estava satisfeito, queria dar uma lição em Ísis. Entrou furtivamente no aposento, abriu seu caixão e colocou o mosquete, ainda sujo de sangue. Assim transformaria Ísis em uma traidora terminando com sua existência para sempre. Para que seu plano fosse perfeito restava apenas matar uma testemunha, o estalajadeiro de Ísis, e isso ele o fez sem grandes ressentimentos atirando na cabeça do pobre homem desmaiado.

Estava finalmente realizado, sua vingança se completava e de modo mais rápido do que imaginara. Sabia que Ísis passaria pelo mesmo sofrimento que passou, seria acusada injustamente por seus aliados e julgada como traidora. Pegou sorridente o corpo de Ferguson, saiu pela rua e teve uma péssima surpresa: O sol já apontava no horizonte. Desesperou-se, sabia que dormir em seu refúgio seria suicídio, tinha cerca de dez minutos antes que o dia nascesse por completo. Conhecia disciplinas que lhe assegurariam a vida durante o dia, mas estas não poderiam ser utilizados sobre Ferguson, e não queria deixá-lo à vista sabendo que ele poderia estragar seus planos. Vendo que não tinha outra escolha, correu rápido como o vento para os limites da cidade, onde esconderia o jovem e usaria seus poderes para se salvar. Por sorte, ele estava errado, o dia demorou um pouco mais que previa e isso lhe deu tempo de esconder Ferguson em um matagal à beira da estrada. Não se importava se este ia morrer ou não, na verdade preferia ele morto, pois assim não revelaria nada. No entanto, vivo ele também não era inútil pois certamente aquele mortal era importante para os lobisomens. Após esconde-lo Walter usou sua disciplina e desapareceu entrando na terra, usando-a como escudo e protegendo-se assim dos efeitos do sol.

O dia nasceu ensolarado, o que dificilmente acontecia naquela época do ano e Ferguson finalmente acordava de seu torpor. Não sentia sua perna e viu que ela estava pior do que imaginava, certamente teria que ser amputada, já havia perdido muito sangue e sentia frio e sede como nunca na vida. Ergueu-se como pôde e olhou em sua volta, estava à beira da estrada. Arrastou-se lentamente até ela fazendo um esforço tremendo. Ao conseguir, Ferguson desmaiou novamente enfraquecido, sabendo que desta vez dificilmente acordaria.

De repente sentiu alguém molhando docemente suas feridas, curando rapidamente o que antes estava perdido. Era um milagre. Ferguson acordou e viu um belo cervo lambendo seus ferimentos, sua unha renasceu em instantes e sua perna curou-se. Ferguson perguntou espantado e agradecido:

- Quem diabos é você? Por que me ajuda?

- Você pode fazer isso sozinho. Está dentro de você. - respondeu a criatura.

- Fazer o que? ...Como pode falar?! Você não é humano! Quem é você?

- Sou seu salvador. Você é importante demais para morrer.

- Por que? Não tenho nada de especial. Sou apenas imune a poderes vampíricos. Tirando isso sou um simples mortal.

- Não você não é um simples mortal. Lembre-se, você não é normal. Você pode fazer isso sozinho. Pode curar-se! Seja rápido, vidas dependem de você! Vá para o Caern!

- Fazer o que? Ir para onde?! Fale claramente, não estou entendendo.

- Você pode se....

O cervo desapareceu, interrompido por uma voz feminina que dizia em volume cada vez mais alto:

- Acorde moço. Acorde!

Ferguson entendeu então o que havia acontecido, aquilo que presenciou com o cervo não havia passado de um sonho, sua perna ainda estava quebrada e sua unha arrancada. Novamente sentiu o toque frio da morte percorrer por seu corpo. Uma jovem mulher estava a sua frente. Sentiu que ao menos teria companhia em seu leito de morte.

- Onde estou? Quem é você?

- Sou Ema. Sua perna não está boa, terei que levá-lo a um médico. O que diabos aconteceu à você? Quem fez isso?

- É uma longa história. Onde me encontrou?

- Na beira da estrada. Tinha um cervo sobre você, lambendo suas feridas. Nunca vi um cervo se aproximar de humanos, quanto menos proteger alguém tão ferozmente. Ele era seu?

- Cervo... Meu Deus, não foi um sonho!

- O que? Que sonho? Do que está falando?

- Tudo realmente aconteceu. - disse Ferguson pensativo. - Agora estou entendendo! Ele quis dizer que eu podia me curar sozinho, mas como?

- Ele quem?

- O cervo.

- Que loucura! Está delirando de dor!

- Eu sei que é uma loucura, mas não estou delirando. Por isso que vou faze-lo.

Ferguson concentrou-se e lembrou-se da sensação da lambida do cervo, de sua áspera língua tocando suas feridas, estancando o sangue. De repente começou a sentir a mesma sensação de alívio que sentiu e ouviu a jovem dizer:

- Meu Deus do Céu! Isso é um milagre!!

Ferguson abriu os olhos espantado. Sua perna e todos os outros ferimentos estavam curados. Não entendeu como havia feito aquilo, mas vibrou de alegria com o alívio que sentia. Um prazer tomou conta de seu corpo, com a saída de tanta dor. A jovem, espantada, perguntou:

- Quem é você?! Você é algum tipo de santo?

- Para ser sincero, não sei.

- Como isso é possível? Como pôde curar-se?

- Não sei. Um cervo apareceu em meu sonho, enquanto estava desmaiado e disse que eu podia curar-me.

- Você é um índio?

- Não. Sou inglês, não vê?! Acho que devo ter alguma coisa de sobrenatural!

- Não diga. - disse a jovem ouvindo o óbvio. - Quem te machucou daquele jeito?

- Foi o inimigo de minha senhora. Tenho que salvá-la! Ísis deve estar precisando de mim!

- Ísis?! Eu conheço-a! É a maluca que perdeu o filho?

- É mais ou menos essa a história.... Filho!? Como sabe?

- Você deve ser Ferguson... - disse Ema espantada.

- Sou sim. Quem diabos é você?

- Sou Ema, sua futura esposa... Graças à Deus!!

- O que?!! - disse Ferguson de supetão.

- Pensei que ela estava me enganando. Você realmente existe! Ela queria que eu me casasse com você, para que assim você não fugisse para América.

- Como isso é possível?! Eu nem a conheço! Nunca vi você em minha vida!

- Eu também não! Sei que não faz sentido. Eu estava fora de mim, bêbada e ela se aproveitou. Vejo agora que ela estava certa, eu seria uma garota de sorte se me casasse com você. - disse Ema, insinuando atrevidamente.

- Bem.... Obrigado. - respondeu Ferguson sem jeito. Estava preocupado demais para flertes e continuou. - Desde quando você não a vê?

- Desapareci ontem à noite, na estalagem. Ela disse que você já havia fugido, então eu decidi fugir também. O que houve com você?

- Não sei, não consigo lembrar-me direito do que houve comigo depois que desmaiei pela primeira vez. Lembro de ouvir alguém gritando alguma coisa sobre espelho.

- Quem disse isso? Era uma mulher?

- Não! Era uma voz masculina! - disse Ferguson lembrando-se de algum fato importante - Meu Deus! Acho que sou um deles! Por isso eles lutavam, para me salvar!

- Eles quem? Do que está falando?! Cada vez entendo menos do que você diz!

- Mas onde está aquele vampiro desgraçado? Ele tinha que estar me vigiando. Por que os lobisomens lutavam entre si? Isso tudo não faz sentido!

- Realmente não! Sente-se. Você não está bem. Está delirando. Deve ser o cansaço causado pelo milagre.

- Delirando?! Eu não sou humano! Será que você não percebeu?!

- Claro! Não sou cega! No entanto, não é por você ser anormal que todos passaram a ser anormais também!

- Ema, você não entende! Ísis não é humana, assim como eu! Ela é uma vampira! Eu não sei o que sou, mas com certeza não sou um vampiro, pois se fosse já estaria morto neste sol!

- Que diabos! E eu sou o que nessa história!?

- Não sei! Acabei de descobrir que não sou normal! Talvez você ainda descubra alguma coisa estranha sobre você! - disse Ferguson soltando uma risada contida pela pressa da situação.

- Isso deve ser um sonho! Não é possível!

- Queria que fosse!... Ísis deve estar precisando de minha ajuda! Um vampiro torturou-me, tive que revelar o refúgio dela. Ele irá se aproveitar disso de alguma forma! Tenho que avisá-la, antes que seja tarde demais!

- Vá então para o refúgio dela!

- Acho melhor não! O cervo aconselhou-me a ir para o Caern!

- Para onde?!

- Não sei. Deve ser algum lugar relacionado aos lobisomens.... Caern é o nome. Onde você iria se fosse um lobisomem?

- Que pergunta de maluco!? - disse Ema rindo de toda aquela situação. Ferguson não achou tanta graça assim e ela respondeu. - Para mata, certamente, lá eles devem sentir-se à vontade. São selvagens!

- Como sabe disso?

- Vivo numa fazenda, conheço histórias sobre esses seres. Alguns fazendeiros já relataram ter se encontrado com essas criaturas a algumas léguas daqui. Eu nunca acreditei na história, de fato ri um bocado dela.

- Você acha que estou mentindo?

- Todos aqueles que contam esse tipo de histórias são bêbados ou mentirosos. Mas, depois do que vi a poucos minutos, irei reconsiderar!

- Fica longe daqui o possível local onde esses fazendeiros se encontraram com eles?

- Te levo lá, mas antes tem que se alimentar! Não quero perder meu noivo novamente! - disse Ema, atrevidamente.

Ferguson estava encabulado, à muito não recebia elogios tão fortes de uma mulher e a jovem sabia como faze-lo. Encarava Ferguson com um olhar amoroso como ele nunca havia visto antes. Sua fome era enorme e enquanto comia um bolo seco que a bela jovem trazia, percebeu que o olhar dela o consumia. Ele não conseguia evitar aquilo e sabia que se o "clima" continuasse daquela maneira ele acabaria sendo conquistado.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Quem sou EU?

Vamos divagar um pouco hoje ...

O EU é uma ilusão. É uma das últimas coisas que perdemos,em nossa contínua ascensão aos planos mais elevados. Isso porque a sensação do eu é útil para a nossa evolução,mas se torna um atraso quanto mais evoluídos estamos. Estranho paradoxo,mas entenda que viemos do todo e estamos rumando para o todo. Somos todos irmãos,não no sentido social da palavra,mas sim no sentido de que viemos da mesma fonte (chame-a como quiser) e é pra essa fonte que estamos rumando.


Então vem a pergunta: por que Deus (como se ele fosse 'alguém' caprichoso) fez essa confusão de separar para depois juntar?

Não estou com a pretensão de revelar aqui os propósitos de Deus,pois evolutivamente falando estou distante dele como uma barata está pra um Einstein. Mas ouvi um exemplo interessante e acessível às nossas mentes: Assim como uma grande árvore espalha suas sementes e fornece sombra e umidade para que elas possam germinar,somos todos sementes de Deus, como todo o potencial Dele armazenado em nós, com toda uma estrutura montada pra favorecer nossa evolução (a sábia lei do karma), mas a decisão de germinar e querer crescer é toda nossa. Não poderia ser diferente.

Se somos Deus, porque não podemos criar,destruir,alterar o destino ao nosso bel prazer,etc? Podemos,mas de forma limitada. Fazemos isso o tempo todo,dentro do nosso âmbito. Mas,do mesmo jeito que um pezinho de laranja não pode dar frutos enquanto não crescer,não teremos certas capacidades até atingirmos um determinado grau de desenvolvimento.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

10 coisas que você vai adorar no Google Sites

Lançado em 28 de fevereiro, o Google Sites é a mais nova proposta de levar ferramentas práticas e totalmente online ao mundo corporativo. Com o GSites, é possível criar um site na intranet ( rede interna) da empresa em questão de minutos, além de gerenciadores de tarefas, sites pessoais ou até mesmo blogs. Empresas têm carência por centralizadores de informações, e o GSites, por ser gratuito, torna-se a ferramente ideal para muitas delas.


O sistema é uma evolução do Jotspot, comprado pela Google em 2006, e faz concorrência direta com o consolidado Sharepoint, da Microsoft.

A Google fez um serviço tão bem feito, que fizemos uma lista com os 10 recursos que vão fazer você adorar o Google Sites.

1. É gratuito e pode ser configurado para seu domínio em questão de minutos. Para utilizar o Google Sites, você precisa inscrever seu domínio no Google Apps, fazer a validação do servidor e pronto! Basta sair construindo páginas para sua empresa, sala da faculdade ou página pessoal;

2. É fácil de usar. Embora esteja em inglês, o sistema é muito fácil de ser utilizado. Pela primeira vez pessoas leigas poderão gerenciar um site interno de uma empresa ou de um grupo de universitários, sem mesmo ter conhecimento de HTML ou qualquer coisa ligada à programação. Nem com a publicação dos arquivos há de se preocupar, já que tudo já está online;
3. Tudo é integrado. O Sites possui integração com vários serviços do Google Apps. Assim usuários podem, com uma única conta, gerenciar emails, calendários, documentos e páginas;

4. Sistema de permissões. Semelhante ao editor de textos Google Docs, é possível convidar pessoas (ou grupos delas) para visualizar ou editar uma página. Ainda é possível tornar a página privada ou pública, tudo com poucos cliques;

5. Gadgets! Além de editar textos e inserir imagens, é possível adicionar mini-aplicativos às suas páginas no Google Sites. Dentre os mais legais, estão calendários (Google Calendar), documentos (Google Docs), Slideshow (Picasaweb), apresentações (Presentation), planilhas e formulários (Spreadsheets), vídeos (YouTube e Google Video) e até Gadgets do iGoogle ou de um Feed RSS. Para adicionar um mini-aplicativo, basta colar a URL do serviço e o editor se encaminha de fazer o resto!



6. Gerenciar arquivos nunca foi tão prático! Com o Google Sites, os usuários poderão criar uma página só pra gerenciar arquivos, onde é possível utilizar o espaço de 10 GB oferecido para cada Conta do Google Apps;

7. Colaborativo. Graças à filosofia colaborativa “à la Wikipedia” adquirida com o Jotspot, outros usuários podem ajudar a modificar suas páginas. O melhor, é que praticamente qualquer alteração em páginas e arquivos pode ser enviada automaticamente para o seu e-mail. Basta clicar no menu “Subscribe to site changes” para ser informado a cada vez que alguém alterar algo;



8. Crie um blog interno. Além de todos os recursos para criação de páginas, o Google Sites ainda permite a criação de um blog, que pode ser atualizado por qualquer um dos autorizados a editar o site, e servir de fonte de informação para a empresa ou grupo que está utilizando o Sites. As entradas no blog permitem comentários e até que arquivos sejam anexados às mensagens;

9. Que tal criar um sistema de gerenciamento de chamadas? Nada mais útil numa empresa que um sisteminha de abertura de chamadas e resolução de problemas para controlar todas as tarefas que precisam ser feitas durante o dia. Para isso, o Google Sites conta com o tipo de página List, que cria justamente esta lista, que ainda pode ter seus campos personalizados;

10. Personalize! Ficamos impressionados com a quantidade de opões de personalização que existem no Google Sites. É possivel editar os Gadgets, as Listas, Sidebar, templates, Acesso, Cores, disposição dos textos, posição do menu e muito mais…

Claro que, por ser um sistema online e de uso prático, o Google Sites tem alguns pontos fracos, principalmente se comparado a ferramentas profissionais de edição, como o Adobe Dreamweaver. Porém, a facilidade e alguns recursos como adição de gadgets, colaboração e sistema de permissões são matadores, e podem fazer a diferença em muitas empresas que não dispoem de profissionais ou ferramentas para gerenciar informações.

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Crônica - Vampiro e Lobisomem - Cap 08 - Segunda Temporada

Pessoal, me desculpem não postar um capítulo semana passada mas estava tão absorto com alguns problemas pessoais que quando dei por mim já tinha passado. E como no sábado e domingo eu estava caçando nas florestas élficas de Palmasland, nem tive como postar. Mas taí a continuação ...

O que será que os lobisomens vão fazer com Isis? Será que foi intencional? Veremos neste capítulo da crônica que está humilhando a audiência da Rede "Gravação" e sua novela sobre bichinhos que acham que têm poderes especiais hehehehehe

Crônica Vampiro e Lobisomem Completa

Em algum lugar do passado

David lutava bravamente para manter-se vivo, mas suas chances eram ínfimas. Sua morte era iminente e nenhuma cura poderia salvá-lo naquele momento, a muito ele já havia parado de respirar afogado em seu próprio sangue. Ao ver que David estava morto, Sebastian enfureceu e entrou em frenesi. Queria vingança, pegou o corpo de seu amigo e correu com ele para um velho espelho, que ficava no centro do Caern, e entrou no Mundo Espiritual. Ninguém ousou impedi-lo, pois estava fora de controle e quem o enfrentasse certamente seria ferido, ou pior. Após Sebastian ter se retirado Evan apontou para dois outros lobisomens e disse ...


- Sigam-me! Temos que proteger Ísis! Já é quase dia! Ela será presa fácil para Sebastian! Não temos certeza se ela é culpada!

Evan sabia que não aterrissaria no mesmo local de Sebastian, e nem queria, sua preocupação era encontrar Ísis antes dele, e usaria de seus poderes e maior conhecimento do Mundo Espiritual para isso.

Sebastian abriu um portal e saiu na porta da frente da estalagem de Ísis, com o corpo de seu amigo nos braços. Sebastian não estava na forma humana, tampouco na animal, estava em uma intermediária, a fúria fez com que seu lado animal se aflorasse. Seu rosto era humano, mas muito peludo, seus caninos cresceram e seus olhos estavam vermelhos de ódio, mesmo assim entrou, procurando por seus companheiros. O funcionário que ficava na recepção estava morto, baleado na cabeça, mas Sebastian estava descontrolado demais para notar qualquer coisa e dirigiu-se rapidamente ao aposento de seus companheiros. Entrou e viu uma cena que o deixou chocado, os três estavam mortos, com marcas de balas e perfurações por todo corpo. A macabra cena chocou Sebastian, que acordou de seu momento de fúria e tentou reanimar seus amigos.

- Como isso é possível!? Eu os deixo por alguns minutos e vocês morrem! Não posso salvar a todos ao mesmo tempo! Acorde, Martin! Seu covarde! - dizia Sebastian desesperadamente, balançando o corpo do amigo.

De nada adiantava, as balas eram de prata, metal que causa danos devastadores à lobisomens. Estavam todos mortos. Tinha certeza que isso não foi ação de um lobisomem, até mesmo de um Dançarino, pois estes não suportam a presença de prata. Correu à recepção, suspeitando do recepcionista, mas ele também estava morto. Não lhe restou outro indivíduo a suspeitar, a não ser Ísis. Sua fúria novamente o retomava, queria matá-la e logo viu que seria fácil, pois o sol já brilhava e ela já havia adormecido. A poucos metros dele dormia aquela que fora responsável pela morte de toda sua matilha. Não hesitou e foi até lá sedento pelo sangue da traidora. Ao abrir a porta do aposento da vampira defrontou-se com Evan e outros três lobisomens à sua frente.

- O que vocês estão fazendo aqui?!! - perguntou Sebastian espantado, mas de forma ameaçadora.

- Afaste-se, Sebastian! Não está em condições! - disse Evan.

- Não estou mais em frenesi! ...Ela é uma traidora! - disse Sebastian, tentando recompor-se para manter um mínimo de respeito a Evan.

- Onde está Martin?

- Está com os outros! Estão todos mortos! Foram mortos por balas de prata! Foi ela quem os matou! Deixe-me entrar! - disse Sebastian avançando.

- Do que está falando? - respondeu Evan, entrando em seu caminho.

- Procure no aposento do final do corredor! Entenderá o que digo!

- Vá! - disse Evan a um dos lobisomens.

- Deixe-me entrar! Ela pode acordar e tentar fugir!

- Fugir para onde? Já é dia! Ela deve estar dormindo!

- Como assim deve?! Você não checou o caixão?!

- Claro que não! Não vim aqui para perturbá-la! Vim para salvá-la de sua loucura! Não temos certeza do que está acontecendo aqui!

- Maldita! Aproveitou enquanto eu salvava David, matou os três e mudou de esconderijo! Ela deve estar no local onde encontrei aquele garoto! - disse Sebastian saindo do aposento.

- Você não vai a lugar nenhum sozinho! - disse Evan segurando-o pelo braço - Está tomado pela ira!

De repente ouviu-se um uivo de tristeza e lamento, típico de um lobisomem que acabara de encontrar um de sua espécie morto.

- Acredita agora!? - disse Sebastian ironicamente a Evan. - Não estou louco!

Evan espantado entrou no quarto, abriu o caixão onde dormia Ísis e encontrou, na mão da vampira, um mosquete. Evan pegou a arma e verificou que suas balas e baioneta eram de prata. Sebastian tentou atacá-la, mas foi contido por Evan.

- Não a mate. Ela tem direito à um julgamento.

- Ela tem o direito de morrer!! Eu sabia! Se apenas você tivesse me escutado desde o princípio!

- Cale-se. Vai acordá-la! ... Um dia ela foi um dos nossos e será julgada como tal!

- Tudo bem, mas exijo que fiquem aqui vigiando-a! - concordou Sebastian contrariado. Não podia enfrentar Evan de forma alguma, principalmente agora que tudo indicava que esteve certo desde o princípio. Era necessário calma, para que pudesse matar Ísis, e enfrentar Evan faria apenas que seu prestígio fosse diminuído.

Evan ordenou aos dois lobisomens que o acompanhavam, a ficar de sentinela no aposento de Ísis, durante todo o dia. Em seguida, saiu com Sebastian em busca do protegido de Ísis, na casa onde ele estava escondido e David havia perecido. Chegando lá encontraram os dois lobisomens enviados por Evan, quando este havia tomado conhecimento do que ocorrera com David. Um dos lobisomens veio falar-lhe:

- Desculpe senhor, nós falhamos. Não havia mais ninguém aqui, à não ser os corpos desses malditos Dançarinos.

- E por que não seguiram o faro do jovem?

- Nós o perdemos. Quem quer que tenha capturado o garoto sabe como esconder-se e também como enganar nosso faro. Ele deixou as roupas do infeliz aqui na casa e escondeu-se com ele em outro lugar.

- Maldição! Só pode ter sido um Dançarino! - disse Sebastian.

- Não creio. - respondeu Evan. - Essa matilha foi aniquilada, dificilmente outra matilha estaria à postos para terminar o serviço. Não é do feitio dessas criaturas.

- Deve ter sido o vampiro que está caçando Ísis e prendendo o rapaz. - ponderou um dos lobisomens enviados.

- É possível. - respondeu Evan.

- Ela está mentindo! É uma assassina! Não acreditem nela! - retrucou Sebastian, ainda possesso de raiva.

- Assassina!? - perguntou o outro, surpreso.

- Suspeita. - respondeu Evan. - Encontramos Martin e os outros mortos, por armas de prata. Encontramos também armas do mesmo tipo, no caixão de Ísis. Essa noite faremos o julgamento.

- Por Gaia! Quem os matou? - perguntou o lobisomem surpreso.

- Não sei. Sei somente que quando entendermos a ligação entre Dançarinos, esse jovem e esse possível vampiro entenderemos toda a história! - disse Evan pensativo.

De volta ao Caern, Sebastian e os outros travavam calorosas discussões sobre o assunto. Ficou claro que todos queriam vingança e Evan temeu pela vida de Ísis, confiava nos livros sagrados e suas histórias e não acreditava que um indivíduo poderia perder tanto suas características, passando de heroína a vilã. No entanto, não sabia o que ocorrera com Ísis nestes cento e cinqüenta anos. Sabia que esse tempo era suficiente, para que ela mudasse seu perfil.

A noite já nascia e mais uma vez Ísis acordava de seu sono profundo. Ao abrir seu caixão verificou que não estava sozinha, Evan, Sebastian e cerca de cinco lobisomens esperavam que despertasse. Espantada e sonolenta, disse:

- O que estão fazendo aqui? Onde estão Martin e os outros?

- Como vocês vampiros são cínicos! - disse Sebastian ameaçadoramente -Como tem coragem de negar um crime que está claro que cometeu!

- Do que diabos está falando?!

- Do assassinato de Martin, Andrew e Jason! E desta arma de prata manchada de sangue, encontrada em seu caixão! - disse Sebastian mostrando a arma.

- Impossível! Nunca faria um absurdo desses! E nem nunca vi essa arma na minha vida!!

- Então como explica suas roupas sujas de sangue!?

Ísis olhou seu vestido e viu que estava ensangüentado. Ficou ainda mais espantada, ao menos, aparentemente.

- Não sei o que está acontecendo. Não lembro-me de nada. Alguém deve ter me colocado nessa armadilha. Você acha que se eu tivesse matado seus amigos, esconderia a arma comigo?!

- Então você se diz inocente!?

- Eu sou inocente! Nunca matei nenhum lobisomem!

- Ísis, você terá aquilo que merecerá. Será julgada essa noite como um lobisomem. Isso é o mínimo a que tem direito. - disse Evan usando de sua liderança - Temos que levá-la ao Caern. Espero que não resista, não obrigue-nos a fazer aquilo que não desejamos.

Ísis concordou, via em Evan uma sombra do líder que encontrara na América. Foi escoltada ao Caern. Lá, dezenas de matilhas esperavam por sua chegada. Era um acontecimento histórico: a traição de um dos ídolos lupinos considerado intocável. Era um indício claro do poder da Wyrm e de como a luta da mesma encontrava-se cada dia mais impossível. Todos queriam saber o que aconteceria a ela, e o porquê de sua traição. Evan sendo líder daquele Caern era o responsável pela execução do julgamento. Os lupinos encontravam-se nas mais diferentes formas, alguns em forma humana, mas a maioria como lobo. Falavam uma língua inelegível a vampira, mas ela sentia, pelo tom, que nunca fora tão odiada. Pressentia que sua morte estava próxima. Quando finalmente conseguiu-se um silêncio mínimo, Sebastian tomou a iniciativa:

- Ísis, você sabe como era admirada por nós lobisomens. Você já nos ajudou muito na luta contra a Wyrm, queríamos saber por que nos traiu.

- Não traí ninguém. Ainda estou com vocês.

- Então como explica o mosquete de prata que encontramos em seu caixão!? - disse Sebastian, mostrando o mosquete aos demais lobisomens.

- Cale-se Sebastian! Respeite-me! Eu sou o regente desse julgamento! Ainda não o chamei para dar seu depoimento! Acalme-se ou será expulso daqui! ... Ísis, deixe-me explicar sua situação. Você está sendo acusada do assassinato de três lobisomens. Encontramos com você um mosquete, com bainha e balas de prata, as mesmas que mataram as vítimas. Como você explica isso?

- Não sei! Alguém me armou isso tudo! Aposto que foi você Sebastian!

- O quê!!!? Como ousa me acusar!!? Sua maldita! Vou matá-la! - disse Sebastian furioso, tentando atacar Ísis e sendo contido por outros lobisomens.

- Controle-se Sebastian! Não tolerarei mais este seu comportamento! ... Não Ísis, não foi armação dele, eu e mais outros dois lobisomens chegamos a seu aposento antes Sebastian. Antes disso, eu estive acompanhando-o, não havia maneiras de Sebastian plantar prova alguma contra você! Abrimos seu caixão somente após encontramos os corpos das vítimas.

- Pelo amor de Deus, acreditem em mim. Sou inocente! - apelou Ísis, visto que não tinha argumentos lógicos.

Houve um silêncio momentâneo, os lupinos calaram-se e Ísis pensava em uma explicação para o que acontecia. Não encontrou outra alternativa a não ser a de que Walter havia sido responsável por essa armadilha. Sua única esperança era Ferguson, mas não sabia onde ele estava escondido. Conhecia o comportamento dos vampiros quando estes se sentiam traídos e temia pela reação dos lobisomens, seres ainda mais selvagens.

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Quem não tem namorado

Aiai, o dia de hoje era pra ser bem alegre, mas já começa bastante melancólico, já que eu não tenho um amor ao meu lado pra partilhar desse dia. Então, vamos de poema. Carlos Drummond de Andrade é um ótimo companheiro nessas horas.

Quem não tem namorado

Quem não tem namorado é alguém que tirou férias remuneradas de si mesmo. Namorado é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namoro de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, de saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia.


Paquera, gabiru, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão é fácil. Mas, namorado, mesmo, é muito difícil. Namorado não precisa ser o mais bonito, mas aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio e quase desmaia pedindo proteção. A proteção dele não precisa ser parruda, decidida ou bandoleira: basta um olhar de compreensão ou mesmo de aflição. Quem não tem namorado, não é que não tem um amor: é quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem pretendentes, dois paqueras, um envolvimento e dois amantes, mesmo assim pode não ter um namorado.

Não tem namorado quem não sabe o gosto da chuva, cinema, sessão das duas, medo do pai, sanduíche de padaria ou drible no trabalho. Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar sorvete ou lagartixa é quem ama sem alegria. Não tem namorado quem faz pacto de amor apenas com a infelicidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade ainda que rápida, escondida, fugida ou impossível de durar.

Não tem namorado quem não sabe o valor de mãos dadas: de carinho escondido na hora em que passa o filme: de flor catada no muro e entregue de repente, de poesia de Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes ou Chico Buarque lida bem devagar, de gargalhada quando fala junto ou descobre a meia rasgada; de ânsia enorme de viajar junto para a Escócia ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo alado, tapete mágico ou foguete interplanetário.

Não tem namorado quem não gosta de dormir agarrado, fazer cesta abraçado, fazer compra junto. Não tem namorado quem não gosta de falar do próprio amor, nem de ficar horas e horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele, abobalhados de alegria pela lucidez do amor. Não tem namorado quem não redescobre a criança própria e a do amado e sai com ela para parques, fliperamas, beira d’agua, show do Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas de sonhos e musical da Metro.

Não tem namorado quem não tem música secreta com ele, quem não dedica livros, quem não recorta artigos, quem não chateia com o fato de o seu bem ser paquerado. Não tem namorado quem ama sem gostar; quem gosta sem curtir; quem curte sem aprofundar. Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado de repente no fim de semana, na madrugada ou meio-dia de sol em plena praia cheia de rivais. Não tem namorado quem ama sem se dedicar; quem namora sem brincar; quem vive cheio de obrigações; quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele. Não tem namorado quem confunde solidão com ficar sozinho e em paz. Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo, e quem tem medo de ser afetivo. Se você não tem namorado porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pesando duzentos quilos de grilos e de medo, ponha a saia mais leve, aquela de chita, e passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternuras, e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada, e coração estouvado, saia do quintal de si mesmo e descubra o próprio jardim. Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo da janela.

Ponha intenções de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uam névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteira: Se você não tem namorado é porque ainda não enlouqueceu aquele pouquinho necessário a fazer a vida parar e de repente parecer que faz sentido. Enlou-cresça.

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Substituição de fontes pra todo o sistema

Meu Firefox é uma ferramenta que funciona muito bem. Não instalo muitas extensões e ele me satisfaz perfeitamente. Quando preciso de algo a mais, geralmente já existe a extensão para a tarefa, o que torna a coisa toda muito mais agradável. Não amo o Firefox, só é minha paixão softwareniana desde os tempos do Netscape Navigator.

Só que hoje eu percebi uma falha dele: não facilitar a substituição de fontes de forma granular. Ou seja, ou você define as suas próprias fontes e visualiza todas as páginas com essas fontes específicas, ou você deixa as páginas fazerem como quiserem.

Eu geralmente deixo as páginas usarem as fontes que quiserem, o que não costuma causar problemas. Exceto pelas que cismam em usar Helvetica. Acontece que a Helvetica não sofre anti-aliasing na tela, o que significa que ela fica toda imperfeita.

A solução: mexer no arquivo /etc/fonts/conf.d/51-local.conf e inserir algumas linhas entre as tags <fontconfig> e </fontconfig>para fazer o sistema sempre usar DejaVu Sans (minha preferência para fontes não serifadas) no lugar da feiosa:

/etc/fonts/conf.d/51-local.conf

<match target="pattern">
<test qual="any" name="family">
<string>Helvetica</string>
</test>
<edit name="family" mode="assign">

<string>DejaVu Sans</string>
</edit>
</match>>


Depois disso, suas Helveticas sempre vão sair como DejaVu Sans.
E aqui digite o restante do mesmo.

Fonte: Fórum BSDNexus

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Instant Messengers não diminuem produtividade

Bom dia leitor! Desculpe o sumiço este final de semana, mas eu estava precisando de uma folguinha para descansar e nem me lembrei de deixar nada agendado. Foi mal. Bom, hoje trago uma notícia animadora para uns e péssima para os chefes outros: IM's não diminuem produtividade. Acompanhem.

Trabalhadores que usam mensageiro instantâneo tendem a diminuir o número de interrupções nas tarefas.

Essa foi uma das conclusões de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade do Ohio e Universidade da Califórnia (Irvine) e contrariou a idéia de que os mensageiros instantâneos diminuem a produtividade. A pesquisa mostrou que os mensageiros são usados freqüentemente como substitutos de outras formas de comunicação como telefone, e-mail e conversas presenciais.


O uso dos mensageiros leva o trabalhador a conversar mais vezes, mas a comunicação é mais breve, de acordo com um dos autores do estudo, Kelly Garrett, professor-assistente da Universidade de Ohio. “Concluímos que o efeito do mensageiro instantâneo no trabalho é, na verdade, positivo”, diz.

O estudo foi realizado com 912 pessoas que trabalham pelo menos 30 horas por semana em um escritório e usam o computador por pelo menos cinco horas por dia.

Muitos trabalhadores usam o mensageiro instantâneo para checar se outros colegas estão disponíveis, observando o status que ela indica no mensageiro(livre, ocupado, ausente, por exemplo). Também usam a ferramenta para obter respostas com rapidez e tirar dúvidas sobre tarefas que estão fazendo.

Quem quiser acompanhar, no site do Jornal de Counicação Mediada por Computação se encontra a pesquisa na íntegra.

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Os sete pecados em concursos

Último capítulo de nossa série de posts sobre concursos, nada melhor do que fazer uma analogia entre os sete pecados capitais, e os sete erros mais comuns cometidos em concursos.

Os pecados capitais levam ao inferno, os do concurso à reprovação, desânimo e desistência. Os pecados capitais são os seguintes: gula, soberba, inveja, preguiça, ira, luxúria, avareza. Vamos vê-los agora em sua manifestação “concursândica”.


A gula é a pressa de passar. Como sempre digo: concurso se faz não para passar, mas até passar. Assim, esqueça a pressa e comece a estudar com regularidade, planejamento e antecedência. Os concursos estão vindo aos montes, e continuarão assim. A aprovação é resultado de um processo longo, mas é algo que você – se trabalhar direito – pode contar.

A soberba é a arrogância, o achar que já se é o “Sabe-Tudo”, o “rei da cocada”. Muitos candidatos inteligentes e bem formados são vítimas da soberba, ao passo que os menos capazes, mas esforçados, chegam lá, assim como na história da corrida da lebre com a tartaruga. A humildade nas aulas, no estudo, nas provas, em todo o processo, enfim, é o caminho para a glória.

A preguiça. Nem é preciso escrever nada. A palavra é auto-explicativa. Mas deixe-me dizer uma coisa: eu sou meio preguiçoso. Só que sempre fazia o que devia ser feito, quando, me imaginava desempregado e sem grana, caso deixasse a preguiça me dominar.

A inveja acontece quando o concurseiro fica vigiando a vida, as notas e as coisas boas que os outros possuem ao invés de ir resolver a própria vida. É impressionante como as pessoas pecam ao se compararem com os outros e dedicarem-se à reclamação e à autocomiseração em vez de estudarem e treinarem.

A ira representa deixar-se estourar, ou desanimar, pela enorme quantidade de fatos que têm justificadamente esse condão: cansaço, carteiras duras (do curso e a sua), dificuldades com a família, com a matéria, os absurdos ou fraudes em concursos, taxas de inscrição abusivas etc. haja paciência! (ops! Estamos falando de pecados e não de virtudes…). Nessas horas, não adianta irar-se. O jeito é ir estudar, pois um dia a gente passa, apesar de tudo.

A luxúria é talvez o maior pecado. Veja nela o lazer exagerado, as viagens, passeios baladas e tudo o mais que é delicioso, um luxo, e que nos tira tempo para estudar e treinar. Pois bem, equilibrar estudo e lazer, administrar bem o tempo e saber estabelecer as prioridades é essencial para chegar ao reino dos céus, digo, da nomeação.

A avareza tem duas manifestações. A primeira, do candidato, quando economiza nos investimentos necessários para ser aprovado. Vale a pena escolher os melhores livros, cursos e gastos, que incluem até mesmo os exames de saúde para estar bem e enfrentar a maratona dos concursos. A segunda avareza, a pior delas, ocorre quando o cidadão passa e deixa de utilizar o cargo e os poderes e competências dele para o bem da coletividade. Não sejamos avaros com o país, nem com o povo que o (e nos) sustenta. Ao passar, para não ser blasfemo, herege ou apóstata, é preciso devolver ao povo o quanto nós custamos. Isso pode ser feito com trabalho, eficiência, simpatia, honestidade e entusiasmo. Cumprir o dever, e se puder, um pouco mais.

terça-feira, 3 de junho de 2008

Ilusões Sonoras

Bom dia caro leitor. Faz tempo que eu não falo um pouco de generalidades, não é mesmo ?? É Rpg, Concursos, Antenas, Blogger, mas nada para distrair um pouco sua atenção. Hoje vou falar de ilusões sonoras.

Todos nós estamos de certa forma, acostumados à determinados tipos de ilusões, como ilusões visuais ou mesmo relacionados a cheiros e sabores. Mas, as ilusões sonoras são, de certa forma, intrigantes, justamente pela dificuldade de se recriar o efeito sem que haja um ambiente adequado para isso.

Em uma ilusão sonora, a sua mente é levada a perceber que você está ouvindo algo que, em realidade, não está lá.

Bom, vamos aos fatos:

Para que você tire o máximo destes sons você deve ter fones de ouvidos estéreo e caixas estéreo também. A não ser que seja informado previamente (antes de cada arquivo de áudio) você deverá ouvi-los com as caixas de som.

Caixas de som de notebook não são adequadas para a maioria destas ilusões.

domingo, 1 de junho de 2008

Mozilla tentará estabelecer novo recorde no Guinness durante o lançamento do Firefox 3

Pessoal, essa é para participar, vamos lá !! Quero ver todo mundo ajudando o Firefox a conseguir esta proeza !!

Campanha global buscará estabelecer o recorde de software mais baixado em 24 horas.

A Mozilla anuncia no mundo inteiro sua campanha para tentar estabelecer um novo recorde mundial no Guinness Livro dos Recordes pelo software mais baixado durante um período de 24 horas. A iniciativa está planejada para acontecer no dia do lançamento do Firefox 3, e foi batizada de "Download Day".


A comunidade do Firefox vem crescendo desde 2004 e conta hoje com mais de 175 milhões de usuários. O Firefox está disponível em mais de 45 línguas e é utilizado em mais de 230 países. Estes números são resultado do incansável esforço e entusiasmo de uma enorme comunidade de usuários, programadores, contribuidores e fãs em geral. Por essa razão, o Firefox passou a ter uma participação cada vez maior na vida digital das pessoas. O Download Day dá continuidade a esse esforço, buscando concentrar a energia da comunidade Firefox para estabelecer um novo recorde mundial.

Para isso, a Mozilla acaba de lançar a página do Download Day (http://www.spreadfirefox.com/worldrecord) onde os interessados podem participar na tentativa de recorde. Ao fazer a inscrição, o participante receberá um lembrete do momento certo de fazer o download. Além disso, caso o recorde venha a ser confirmado, cada participante passa a ter direito a um certificado pessoal de participação no recorde.

Para os interessados, existem diversas formas de participar:

• Inscrevendo-se para baixar o Firefox 3 durante o Download Day no endereço http://www.spreadfirefox.com/worldrecord.

• Promovendo festas e eventos ligados ao Download Day em qualquer lugar. Mais informações em: http://www.mozillaparty.com

• Atuando em universidades de instituições acadêmicas, auxiliando a divulgar a iniciativa do Firefox e chamando outras pessoas para participar no ambiente escolar e universitário http://www.spreadfirefox.com/campusreps

• Adicionando botões e banners Mozilla em seu site, blog ou perfil. Os mesmos podem ser encontrados em http://www.spreadfirefox.com/?q=affiliates/homepage.

• Entrando na comunidade do Orkut (http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=54501993) ou do Facebook (http://www.facebook.com/group.php?gid=14740918186&ref=ts)

Para visualizar um mapa das pessoas participando da tentativa de recorde, visite http://www.spreadfirefox.com/worldrecord.

Estou esperando vocês para ajudarem o Firefox !! Get Back the Web !!