terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Livre Arbítrio

Jonas acordou hoje com uma baita de uma dor de cabeça. Isso porque, ontem de noite, escolheu tomar uma garrafa de cachaça de uma só vez e depois tomar vinho. Isso porque, antes disso, Jonas havia apostado com Pelourinho(apelido de Pedro) que conseguiria beber tudo sem ficar bêbado. Isso porque a galera tinha gritado, dizendo que Jonas era medroso. Isso porque Pelourinho tinha falado que Jonas tinha medo. Isso porque Jonas não queria beber naquela noite. Isso porque tinha prometido à sua namorada não beber para levá-la para casa. Isso porque ela não tinha carro.


Se a namorada de Jonas tivesse carro, ela nunca teria pedido à Jonas que não bebesse. Se Jonas não tivesse feito uma promessa, ele não iria querer ficar sem beber. Se tivesse bebido, Pelourinho nunca haveria de ter desafiado Jonas. Se Pelourinho não tivesse desafiado Jonas, a galera não iria gritar, insuflando Jonas a aceitar a aposta. Se a galera não tivesse insuflado Jonas, ele não teria apostado. Se Jonas não tivesse apostado, ele não teria bebido tanta bebida assim e além do mais, bebida misturada. Se Jonas não tivesse bebido misturado e muito, não teria batido o carro que matou sua namorada e, pela manhã, ao sentir a dor intensa da batida que deu no volante com sua cabeça, não acharia que era ressaca.

Moral da história: histórias não precisam ter moral. Afinal, você não influencia o que você faz.