sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Crônica - Vampiro e Lobisomem - Cap 10

Mais um post da crônica Vasmpiro e Lobisomem. Espero que curtam ...

Crônica Vampiro e Lobisomem Completa

Em Algum Lugar do Passado

Ísis nada falava, quando seu pai perguntou:

- Tudo bem, querida? O que há de errado?

- Ísis, responde. Edgard fez pergunta. Ísis deixar levar os livros?

- Afastem-se!! - gritou Ísis...

Edgard e Goth assustaram-se de tal forma que saltaram para trás; ambos aparentavam estar sem reação. Ísis continuou:


- Traidores!! Eu sabia!! Era bom de mais para ser verdade!! Não confio em vocês!!

- Que diabos está acontecendo, Ísis?! - perguntou, Goth, desesperado.

- Calado!! Você se diz meu pai... sei que não é! Minha mãe me avisou em um sonho!

- Ísis, não seja tola! Nós somos seus amigos! - respondeu Goth.

- Amigos!? Por quê quer tanto esse livro, heim papai?!! Mostrará ele a seus amigos, não é? Irá entregá-lo e levar-me direto à fogueira!

- Não fale besteira!

- Veremos se é besteira! Posso ir embora?

- Não nessas condições!

- Não disse!? Por quê está me mantendo aqui?! Está esperando seus amigos?

- Ísis, por favor! Tenha calma! O que diabos aconteceu com você enquanto dormia?!

- Enxerguei a verdade, "papai"! - disse o mais ironicamente possível - Prove que estou errada! Deixe-me ir embora!

- Tudo bem! Vá! - gritou, Goth, aparentemente magoado.

- Não! Edgard não deixa! Goth, você está maluco? Deixar Ísis ir assim?

- Deixe-a! Ela sabe o que faz!

- Não, não sabe! Ísis com problemas!

- Edgard, eu sou o pai dela e sei o que é melhor para ela! - Edgard já ia responder, mas Goth o interrompeu. - Cale-se, Edgard! Sei o que estou fazendo!! Ísis, pode ir quando quiser.

Ísis não fraquejou e saiu correndo pelas ruas. Chorava... não sabia o que pensar, nem tampouco o que fazer. Seus instintos mandavam-na encontrar-se com Scott, pois, afinal, ele fora seu salvador na mensagem que sua mãe lhe dera em forma de sonho. Em momento algum se perguntou sobre a maneira que o sonho a influenciava. Era tudo tão real... sua mãe, Goth, Edgard, o medo e, principalmente, Scott. Não lhe restavam dúvidas de que ele era sua salvação e, então, correu para a Camarilla. Estranhamente, Scott estava do lado de fora da casa e parecia esperar por Ísis. Naquele momento, Ísis de nada desconfiou e, esquecendo tudo o que sofrera nas mãos de Scott, correu para seus braços em prantos, sendo sincera para com ele, como não era há muitos anos.

- Desculpe-me! Não sabia o que estava fazendo... Perdoe-me!

- Está tudo bem, querida. Está tudo bem...

Scott respondeu da mesma maneira que costumava respondê-la antes de ser traído. Não guardava mágoa ou rancor algum. Ela surpreendeu-se com sua bondade
e, nesse momento, o amou novamente.

- Perdoa mesmo? - perguntou, engolindo o choro.

- Claro. Não foi culpa sua... eles te dominaram e você não teve escolha. Diga-me: O que eles te obrigaram a fazer?

- Tive de comer vacas. - respondeu, Ísis, envergonhada.

- O quê!? - indagou, Scott, furioso.

- Isso mesmo. Vacas! Os bastardos me obrigaram a comer vaca! - Ísis não sabia o que falar e, novamente, mentira para Scott. Entretanto, dessa vez, desejou ter dito essas mesmas palavras com sinceridade.

- Pobre garota! - disse, Scott, meigamente - Deve ter sido humilhante.

- O pior não foi isso! Obrigaram-me a escrever um livro, contando tudo o que eu sabia sobre vampiros. Inclusive sobre a Camarilla e sua localização.

- Por Caim!! Temos de recuperar esse livro!

- Desculpe-me! Para você seria melhor que eu estivesse morta, assim não teria tantas preocupações.

- Não fale bobagem! Eu te amo! A minha única preocupação é não tê-la!

Mais uma vez Scott deu sinal de que falava sinceramente. O amor que sentia pela jovem era real! Nesse momento não precisava de um pai - Scott era isso! Quanto ao amor de Edgard, nesse momento ele não passava de um tolo para a menina. Ísis, ainda arrependida, queria reparar o erro.

- O que posso fazer para corrigir meu erro?

- Não se preocupe. Você tem a chance de retroceder. O que ele fará com o seu livro?

- Entregará a seus colegas essa noite.

- Tem certeza?

- Sim. Ele também entregará um outro livro, um sobre lobisomens que Edgard encontrou. Livro dos Garou ou algo assim.

- Edgard!? Como aquele imbecil conseguiu isso?

- Ele é amigo dos lobisomens.

- Quer dizer que ele é um traidor?

- Isso mesmo.

- Bom saber disso... Você quer mesmo provar que não é uma traidora?? Não apenas para meus olhos, mas para o de toda a Camarilla??

- Sem dúvidas!

- Então faça o seguinte: Encontre aquele homem e fique com ele, não saia de perto dele e, quando ele estiver desatento, quero que me chame. Tomarei o livro e acabarei com esse caçador!

- Te chamar!? Como??!

- Terei de fazer telepatia com você. Aceita?

- O que é telepatia?

- É quando duas pessoas se comunicam mentalmente e ninguém sabe que estão conversando. Nossas cabeças trocam informações sem o uso de palavras.

- Como fará isso?

- É fácil. Primeiro tenho de saber se você aceita.

- Aceito.

Scott concentrou-se e, depois de poucos segundos, conseguiu entrar na mente da jovem criança da noite. Ísis, sem nada perceber, de repente ouviu a voz de Scott. Ele disse "Olá" sem, ao menos, mover os lábios.

- Meu Deus! - exclamou Ísis. - Como fez isso?

- Logo aprenderá, querida. - respondeu, Scott, mentalmente. - Tente conversar comigo sem falar, somente pela mente.

- Não consigo! - disse, Ísis, concentrando-se.

- Consegue! - disse, Scott, ainda mentalmente.

Ísis concentrou-se com mais vontade e acabou por conseguir.

- Como fiz isso?

- Está dentro de você. Logo aprenderá a controlar seus poderes. Apresse-se! Ele já deve estar a caminho!

- Tudo bem. Fique preparado, logo o chamarei.

- Vá, meu amor!

Scott beijou Ísis e ela correspondeu como nunca antes. Beijaram-se durante quase um minuto, até que Ísis foi embora correndo. Scott estava tão feliz que até sorria para as árvores. Entrou na Camarilla e encontrou-se com o príncipe, que lá o esperava.

- Por Caim! Esse seu feitiço funciona mesmo, hein Richard? O mais importante é que ele é permanente.

- Funcionará enquanto o maldito do Edgard não colocar aquela coisa na cabeça de Ísis e enquanto você estiver vivo.

- Não se preocupe. Já sei o que fazer com aquilo.

- Scott. Estou te avisando! Não vou perder mais meu tempo e meu sangue para vigiar aquela garota! Espero que saiba o que está fazendo!

- Eu sei o que faço. Não sou mais uma criança da noite!

- Espero que sim!! Pois a partir de hoje não terá mais minha ajuda!!

- Sim, senhor. -Scott respondeu respeitosamente ao príncipe, que não tinha um tom agradável.

- E tem mais! Já disse que quero a cabeça daquele caçador, ou então não será perdoado. Já sabe o que acontece com aqueles que procriam sem permissão!

- Não se preocupe, senhor. Sei o que fazer. - respondeu, Scott, reverenciando-o.

- Então faça!! E saia da minha frente, seu verme imprestável! Vá e faça o que tem de fazer!

- Sim, mestre.

Scott saiu acuado como um cão, seguindo Ísis sem que ela notasse.