quarta-feira, 13 de junho de 2007

Surpresas e Incertezas ...


- Hey, onde você pensa que está indo?
- Estou entrando para falar com o seu chefe.
- Você não pode entrar sem autorização!!
- É mesmo? Então veremos.
- A-a-afaste-se, senão eu ... argh!
...
- Quem é você? O que você quer?
- Eu vim buscar aquilo que você me tirou de mais precioso!
(puft) (soc)
- Argh!! O que você quizer pegar leve, mas não me mate, por favor !!
- Matar ... Palavra interessante. Passamos a maior parte de nossas vidas matando e, no final, imploramos por mais um momento de vida. Mas, o que eu vim buscar não pode ser comprado.
- Leve o que eu tenho, por favor, eu lhe imploro!
- Claro, como desejar!
- N-ã-ã-ã-ã-ã-ã-ã-ã-o-o-o-o-o-!!!!!!........
...

A carroça vem se aproximando lentamente, e nela há três pessoas. Uma carrega um bandolin, e as outras duas são uma alta e a outra baixa. Vestem capuzes, o que não permite enchergar seus rostos nem suas intenções ... Com a aproximação da carroça, Vinde sai de seu esconderijo e se coloca ao lado da estrada, por onde a mesma está passando.

Vinde: Olá forasteiros, quais sendas os trazem à estas terras de Abborlon?
Forasteiro: O que nos trás a esta terra? Bom, é difícil dizer. eu bem que poderia dizer que estamos atrás de aventuras e tesouros, mulheres e bebida, masmorras e dragões. Mas não é isto o que estamos procurando.

Meio sem jeito, ele faz outra pergunta:


Vinde: Bom meu senhor, vocês não me parecem pessoas arruaceiras. Mas, será que poderiam se apresentar ou pelo menos mostrar seus rostos e intenções?
Forasteiro: Ora meu caro amigo elfo, não podem mais simples viajantes pararem em suas estalagens e descansar mais? Ou será que a cortesia desta terra onde meu amigo Vincent vive diminuiram?

Nisto, eles tiram os capuzes das cabeças e se mostram:

Vinde: Parunthor, Vincent, Laucian, que surpresa agradável!! Não imaginava que os veria viajando por estas terras!
Laucian: Boa tarde meu grande amigo Vindemiatrix Almuredin, como vão as coisas em Abborlon? Fiquei sabendo que você estava passando uma temporada aqui, então resolvi viajar até cá, para rever velhos amigos e ouvir uma agradável musica! Sim, viemos para cá para rever velhos amigos e também amigos recém chegados a estas terras.
Parunthor: Agradável?? Isso eh porque você não veio ouvindo essa musiquinha a viagem inteira!! Olá elfo de orelhas pontudas!
Arian: Olá Vinde, é bom vê-lo depois de tantos anos.
Vinde: É realmente uma surpresa vê-los aqui. Eu me perguntaria quais aventuras os trazem aqui, mas acredito que nosso velho e bom Laucian já saiba, não é mesmo seu bardo falador?
Laucian: Na verdade Vinde, eu não falei nada para eles além do que você também deve conhecer. Vim tocando minha música e me preparando para me apresentar amanhã à noite na praça da cidade, ocasião que eu aproveitarei bastante, visto que, se não me falha a memória, é o aniversário de Vincent.
Vinde: Eh, como sempre você sempre se mantém bastante informado. Mas, o Vince já sabe que vocês viriam?
Parunthor: Ah sabe, sabe sim! E você acha que nós viríamos de tão longe para deixar de fazer uma surpresa para ele? Claro que não né seu energúmeno!
Arian: Na verdade Vinde, nós viemos por dois motivos. Viemos para o aniversário e também para resolver um probleminha na cidade. O Vincent nos falou há alguns meses de um problema que ele vêm passando na cidade por conta de um inimigo forte demais para ele.
Vinde: Ah sim, eu tenho muito que conversar com vocês sobre isto ... A situação é a seguinte ...

A carroça segue seu caminho até a cidade e várias informações são trocadas entre os antigos amigos. Notícias das terras do norte, trazidas por Arian, notícias de Cristália, ouvidas pelo grande anão Parunthor, e notícias de todo o resto de Dracólia, que Laucian colheu durante todos estes anos de viagens pelas terras imortais.

Enquanto isto, em outro lugar do continente ... Um jovem vestindo pesadas roupas de couro escuro, sai pela porta da frente da casa do Regente de Nunör, verifica se os vigias da porta estão conscientes, guarda sua espada por entre seu escudo nas costas, e atravessa a rua em direção ao seu cavalo, amarrado em frente à taverna. Lá ele pega algumas moedas, e entra no estabelecimento. algumas pessoas, assustadas, saem dali. Ele segue em direção ao estalajadeiro e deixa um pequeno pacote.

- Hey, estalajadeiro, quando a milícia vier procurar pelo assassino do Regente, diga-lhes que um justiceiro passou por aqui e deu a oportunidade de a cidade finalmente prosperar. Ah, e entregue isto a eles, como prova de que tudo o que eu estou dizendo é verdade. Você deve saber mais do que eu, então deixo com você a responsabilidade pelo pacote.

- Sim, claro! M-mais alguma coisa?

- Sim, vou querer da sua bebida mais forte.

- Eu tenho várias.

- Você sabe qual. Eu quero uma dose de sua melhor pinga anã.

- São 15Gil a dose!

- Bom, então o que está esperando - E coloca 50Gil em cima da mesa, que o estalajadeiro confere moeda por moeda.

- Sim, já estou trazendo ... Aqui está! só um aviso, ela é muito for...

- Humm, o que você ia dizendo?

- Essa pinga é a mais forte de todo o reino de Dracólia!

- Sim, eu sei, e daí? Bom, estou indo. Não esqueça de entregar meu pacote, senão eu mesmo venho aqui ter uma conversinha contigo.

- Ah sim, não esquecerei!

O estranho homem vai saindo da taverna e, quase no final da porta, cambaleia, cai, e se levanta com uma rapidez impressionante.
Do lado de fora, ele pega em seu cavalo uma lista e risca uma linha, onde estava escrito "Regente Maul - regente de Nunör".

- Deixe-me ver Carshan, qual é o nosso próximo destino ... Humm, Abborlon. São vários dias de viagem. Acho melhor descansarmos um pouco antes de viajar. O que você acha de passarmos a noite aqui? - o cavalo balança a cabeça negativamente - Humm, concordo. com a morte do regente em pouco tempo haverá muitas pessoas inocentes atrás de mim. Bom, então vamos meu amigo, a noite é nossa amiga, sempre foi!

E depois desta conversa, ele arruma a sela, desamarra o cavalo da cerca e parte do pequeno reino de Nunör.