sexta-feira, 24 de fevereiro de 2006

MMS


A vida massante dos dias que antecedem o equinócio do outono será, em parte, quebrada pelas festividades promovidas (mesmo sem terem consciência disto) em adoração ao Deus grego Baco, ou as festividades celtas da fertilidade e do início da primavera no hemisfério norte. No mais, vou só vivendo isolado de meus amigos, espalhados por vários estados. Namárië. Ellen silá lúmmen Omentielvo!!

Dia como um outro qualquer

Hoje infelismente não tenho nada a dizer. A estrada parece excessivamente calma e minha viagem, acredito eu, será calma. Em algumas horas devo estar chegando ao desfiladeiro da sombra, o qual será, da mesma forma, tranquilo e sem nenhum "entretenimento" como o que me acometeu naquela singela vila.
Bom, logo em breve estarei aqui de novo, contando mais sobre minhas viagens. Hoje estou com sono, mas preciso progredir em minha viagem, pelo menos até a próxima estalagem, pois me é de grande interesse o valor monetário daquela pedra. Eu estimei em umas 200 peças de Mithril (Em torno de 2.000 peças de ouro).
Até a próxima parada então, nobres aventureiros.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2006

Dia da Enchente do Rio Cristalino

Como é difícil descansar ... Onde quer que eu passe, sempre há alguma coisa que eu tenho que fazer ...

Estava lá eu, descansando sob a sombra do alpendre na estalagem "Sorriso do Orc", que por sinal é uma bela estalagem. Tirando o estalajadeiro ser meio desengonçado, por ser um anão, tudo corria domo deveria. Bem, voltando à história, estava lá eu, descansado quando um aldeão veio até mim, pedindo que eu os ajudasse a resolver um problema que há vários meses vem perturbando a vida daquela vila. Deve ser bem perturbador mesmo, pra precisar de minha ajuda e me perturbar de meu descanso, mas vamos lá ... Eu saí com ele e fui em direção do local onde ele indicara. Por incrível que pareça, esse local era nada mais nada menos que o porto aéreo da vila. E logo hoje que eu estava esperando minha condução para voltar à floresta de Jatailand.

Como eu estava muito animado (e descansado também, pois estava ali havia 3 dias) resolvi fazer o reconhecimento do terreno em volta. De todos os detalhes que havia notado, o mais estranho era aquele portal em forma de chifres na entrada do brejo. Quem seria a pessoa que colocaria algo como aquilo num lugar tão ... inútil. Não era de se espantar que o motivo de tudo se devia a um dragão azul ainda novo, com pouca experiência em aterrorizar cidades ... Então, pensei em como afugentar aquela coisa, já que eu mesmo não daria conta dele nem mesmo com um exército pequeno, coisa que nem aqueles aldeões poderiam me arranjar.

Fui-me então até a toca do dito cujo para, quem sabe, conversar, trocar umas idéias e até quem sabe ficar amigo daquele monstro. Chamei meu corcel élfico, peguei minhas espadas, minha aljava e meu arco e desci as encostas da chapada até chegar a uma região que pouco me afeiçoava. Um brejo se formava a minha frente, com diversas árvores retorcidas e com aparência nada convidativa. Segui então pelo caminho, pensando no tipo de coisas que poderia encontrar por ali. Mas por incrível que pareça nada apareceu. No começo até achei bom, mas depois fiquei me indagando o porquê de não haver tais animais aqui.

Passadas algumas horas de caminhada brejo adentro, eu chego a uma praia que dava no rio cristalino. Não deveria ser uma praia normal, pois nunca tinha ouvido falar de praias belas como essa dentro de um brejo tão feio. Deixei meu corcel à beira da mata e segui andando à pé pela orla da praia. Nada de mais. Um rio de águas cristalinas, de areia firme e com vários peixes nadando. Olhando mais abaixo, foi que notei que eu havia chegado acima da entrada da toca, chamada desolação do dragão. Realmente lá mais embaixo as coisas eram bem mais feias e provavelmente perigosas. Fui até lá e nada de encontrar o dragão. Devia estar por aí, aterrorizando pessoas. Só sabia um modo de chamar a atenção do dragão para cá, ou para mim, não sei. Entrei dentro da toca e encontrei seu covil. Havia somente algumas toneladas de ouro e jóias, relíquias e pedras preciosas. Fui e peguei uma pequena pedra transparente, mas que tinha várias facetas. Era do tamanho de um punho fechado e parecia ser um diamante ou alguma outra coisa mais valiosa.

Não tardei em ficar ali, pois sabia que o dragão logo viria em retorno à sua toca.

Demorei um pouco para subir rio acima, mas com alguns minutos eu cheguei ao local onde eu havia encontrado o rio. Lavei-me daquela sujeira toda e quando estava a sair do rio, notei que ele começava a subir lentamente. Isso por si só já era um sinal de que o "garoto" estava voltando. Então, num lance rápido, subi no meu corcel e comecei a fazer o caminho de volta. Com pouco mais que alguns minutos que havia saído, ouvi um enorme urro e como um lance daqueles que só grandes magos sabem fazer, o rio começou a subir e inundar o brejo. Pronto, comprei briga com um dragão, ainda por cima dentro de seu território. Era só uma questão de tempo até ele me achar. Como não sou nem um pouco burro, eu guiei meu cavalo para uma parte do brejo que me parecia pouco provável de alguém se esconder e lá espalhei barro por todo o seu pelo, assim como em mim todo. Isso nos disfarçaria por algum tempo. Só ouvia o barulho de suas asas e a sua raiva descontada em forma de sopros de eletricidade brejo adentro na esperança dele encontrar o raptor de seu tesouro.

Depois de algum tempo ali, parado, correndo o risco de ser eletrocutado, uma idéia me ocorreu. Subi em meu corcel, amarrei a pedra em meu pescoço e segui em direção à estrada. Tudo bem, é uma atitude totalmente idiota, mas algo me surgia à mente. Não deu nem tempo direito de chegar à estrada e o dragão me localizou. Eu já tinha andando mais de três quartos do caminho, mas com aquela coisa me sobrevoando e me atacando, não sabia quanto tempo iria viver ... Então, logo que estava saindo do brejo, o dragão teve a brilhante idéia de tentar me agarrar em pleno vôo. Como eu estava planejando, eu fui à toda a velocidade e quando ele estava a um ponto de me agarrar, fiz eu a coisa mais inimaginável. Dei um pulo, e ele errou seu bote, desequilibrando um pouco. Mas isto não foi tudo, eu pulei e consegui segurar em seu pescoço. Ele tentou se livrar de mim, mas já era tarde. Passados apenas alguns segundos do acontecido, o dragão jazia morto. Ele se esquecera daquele portal inútil. Não conseguia nem acreditar que aquilo era possível. O dragão foi burro o suficiente para cair em uma armadilha tão singela. Claro que no começo não acreditei. Fui lá e cutuquei o corpo do bicho, falei com ele, mostrei a jóia e nada ...

Então, como se nada tivesse acontecido, fui voltando à vila. E chegando lá, quase fui imolado!! A cidadela estava totalmente destruída. Mas até explicar a todos que o dragão jazia morto na entrada do brejo eu já estava sendo levado para execução pública. Somente quando viram aquela pedra em meu pescoço que perceberam que não era uma mentira.

Logo, alguns foram averiguar o acontecido e voltaram atônitos. Como que instantaneamente, passei de candidato à fogueira a herói. Mas nada eu tinha feito, foi só a sucessço de acontecimentos desastrosos que aconteceram!!

Falei para os moradores que sua cidade poderia ser reconstruída com os espólios daquele dragão. Acho que foi muito mais que o necessário para reconstruir uma capital na verdade, mas isso não me importa. Eu só fiquei com aquela pedra mesmo.

Fiquei nessa cidade durante mais uns três meses, até a vila ficar terminada, já que eu tinha a ver com a destruição dela. Mas é isso, bem as coisas estão quando bem elas terminam.

Nesse momento acho que vou deixar a estalagem e seguir em meu corcel élfico. Fiquei quatro meses aqui pra decidir voltar à cavalo. Vai entender ...

Bom, essa é a história de como comecei a ficar famoso pelas terras da província de Goyá, em Elementalia.
Espero em breve postar mais histórias.
Até breve jovens aventureiros!!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2006

Eh, começo meu blog falando de coisas chatas, mas hj tou morrendo de cansado e não tenho nada pra falar, infelismente ...

Dexa pra amanhã, pode ser ??
[]'s para todos !!